- Links
» Página Inicial
» Estadão
» Revista Veja
» Revista Época
» Folha de São Paulo
» Revista Isto É
» Revista Carta Capital
» Prefeitura de Pirassununga
-
BALAIO DO BUYA
Jornal Virtual
-
» Contato
 
 
- Balaio do Buya
Dizimista 238

 

 
Edição nº 238, de 26 de agosto  de 2010
O Dizimista – Primeiro jornal virtual de Pirassununga
SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS
 
26 de agosto de 2010
O Globo
 
Manchete: Receita: mais três ligados a Serra tiveram sigilo violado
Dados foram abertos no mesmo dia da espionagem contra vice-presidente tucano

Mais três pessoas ligadas ao candidato tucano à Presidência, José Serra, tiveram o sigilo fiscal violado: Luiz Carlos Mendonça de Barros, ministro do governo Fernando Henrique; Gregório Marin Preciado, marido de uma prima de Serra; e Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-diretor do Banco do Brasil. As violações aconteceram em 16 minutos, em um computador da Receita, no mesmo dia da espionagem contra o vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge. Os vazamentos constam da investigação da Receita – que silenciou sobre o caso. Serra voltou a culpar a campanha de Dilma Rousseff pelo vazamento:
"O PT faz espionagem e coisas gravíssimas." Para o PT, os tucanos alimentam um factoide político. (Págs. 1, 3 a 14 e editorial
"Banaliza-se a invasão de privacidade")

TSE reafirma: Ficha Limpa vale sim para condenações antigas (Págs. 1 e 17)

Abert pede fim das restrições ao humor na campanha (Págs. 1 e 18)

Histórias do Moreno
Golbery e até Maluf ajudaram na campanha que resultou na eleição de Tancredo Neves para presidente. (Págs. 1 e 14)
Chacina mexicana tem 4 brasileiros
Vítimas seriam imigrantes ilegais e estão entre os 72 corpos encontrados em rancho

No maior massacre ligado ao narcotráfico no México, corpos de 72 pessoas foram encontrados num rancho no Norte do país. Eram imigrantes ilegais e, segundo o Itamaraty, entre eles há pelo menos quatro brasileiros. O equatoriano Luis Fredy Lala Pomavilla, que sobreviveu à chacina, contou que o grupo tentava chegar ao Texas quando foi abordado por integrantes do cartel Los Zetas, que teriam oferecido emprego como capangas. Diante da recusa, o grupo foi fuzilado. (Págs. 1 e 35)

Foto legenda: O sobrevivente Luis Pomavilla no hospital: imigrantes ilegais recusaram convite dos traficantes
Perda de planos terá correção parcial
O Superior Tribunal de Justiça decidiu que quem possuía caderneta de poupança nos planos Bresser, Verão, Collor 1 e Collor 2 terá correção adicional dos saldos, cabendo ao banco pagar a diferença. Até 900 mil correntistas serão beneficiados. Os bancos devem recorrer. O STJ invalidou 1.015 de 1.030 ações coletivas que beneficiariam até 40 milhões. (Págs. 1, 29 e 30)
Depoimentos desmentem Cristina Kirchner
O irmão e a filha do antigo dono da Papel Prensa negaram pressões da ditadura argentina para a venda da empresa aos jornais "La Nación´ e
"Clarín", como diz a presidente. (Págs. 1, 37 e editorial "Ameaça do autoritarismo é continental")
No SUS, mais verba contra câncer
O Ministério da Saúde anunciou ontem verba extra de R$ 412 milhões anuais para melhorar o tratamento de câncer na rede pública. A quimioterapia incluirá mais cinco tipos da doença, inclusive o linfoma. (Págs. 1 e 21)
Rocinha não é invadida para poupar morador
O secretário de Segurança, Mariano Beltrame, disse em entrevista à "Época" que só não prende o traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha - pivô do confronto em São Conrado -, para não colocar em risco moradores. Ele afirmou que sabe onde está o bandido e até o que há na casa dele. (Págs. 1 e 22)
Procuradores querem dobrar a pena de Garotinho (Págs. 1 e 23)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo
 
Manchete: Outros três ligados ao PSDB tiveram sigilo fiscal violado
Acesso a dados ocorreu no mesmo dia; Serra acusa Dilma, e PT nega envolvimento da candidata

A Corregedoria-Geral da Receita Federal apurou que foi violado o sigilo fiscal de três pessoas próximas ao candidato a presidente José Serra e a FHC, além do vice-presidente do PSDB Eduardo Jorge Caldas Pereira.

Das 12h27 às 12h43 de 8 de outubro, foram impressas as declarações do IR do ex-ministro Luiz Carlos Mendonça de Barros, do ex-diretor do BB, Ricardo Sérgio de Oliveira e de Gregório Marin Predado, parente de Serra.

As informações foram levantadas na investigação sobre a quebra do sigilo de EJ, revelada pela Folha em junho. Os dados foram acessados com a senha de uma servidora de Mauá (SP). A Receita não se manifestou.

Os dados de EJ faziam parte de dossiê de um grupo da pré-campanha de Dilma Rousseff. Serra disse ontem que a irregularidade é um "crime contra a democracia" e que a petista deve uma explicação para o país.

Em defesa do PT, o deputado federal Cândido Vaccarezza negou o envolvimento da candidata. "Você já viu a campanha usar isso? Viu a nossa campanha baixar o nível? Quem baixa o nível é o Serra", disse. (Págs. 1 e A4 a A7)
Presidente 40 Eleições 2010: Dilma abre 20 pontos e já bate Serra em SP
A candidata do PT Dilma Rousseff manteve a tendência de alta e foi a 49% das intenções de voto, abrindo 20 pontos sobre José Serra, do PSDB, que está com 29%, Marina Silva (PV) tem 9%.

Na pesquisa Datafolha realizada nos dias 23 e 24, a petista ficou à frente em segmentos que eram redutos do tucano. Dilma ultrapassou Serra em São Paulo, no Rio Grande do Sul, no Paraná e entre os mais ricos.

Em SP, Dilma saiu de 34% e está com 41%. Serra recuou de 41% para 36%. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Dilma venceria no primeiro turno com 55% dos votos válidos.

Na pesquisa espontânea, a petista passou de 31% para 35%; Serra oscilou de 17% para 18%. (Págs. 1 e A8)

Análise
Dilma abre brechas nas últimas "cidadelas" de José Serra, escreve Fernando Canzian. (Págs. 1 e A8)

Popularidade do presidente Lula alcança 79% e quebra recorde (Págs. 1 e A9)

Vinicius Torres Freire
Serra e oposição pagam por inércia dos últimos 8 anos (Págs. 1 e B4)
México acha 72 mortos, entre eles 4 brasileiros
Quatro brasileiros estão entre os 72 corpos encontrados em um rancho no México, na fronteira com os EUA.

Foram mortos depois de se recusarem a trabalhar como matadores de aluguel para criminosos que disseram integrar um cartel, afirmou um sobrevivente.

Nos últimos quatro anos, 28 mil pessoas morreram em casos ligados ao narcotráfico no país. (Págs. 1 e A14)
A vida pelo cano
Após a euforia por terem sido localizados, os mineiros presos em galeria no Chile se veem em meio à angústia. Serão necessários três meses para sair de lá.

O contato deles com o mundo se faz por um duto, por onde recebem comida e se comunicam. (Págs. 1 e A16)

Foto legenda: Imagens dos 33 mineiros chilenos presos em galeria desde o dia 5; segundo o Ministério da Saúde, a condição física do grupo é ´excepcionalmente boa’
Período para ação coletiva de juro da poupança diminui
O STJ reduziu de 20 para 5 anos o prazo para ações coletivas para receber a correção da poupança de planos econômicos. A medida invalida 1.015 das 1.030 ações. O valor devido deve cair de R$ 60 bilhões para R$ 10 bilhões. Bancos dizem que o impacto é incerto. (Págs. 1 e B1)
Boas Notícias
Rede pública vai oferecer mais 9 tratamentos contra o câncer (Págs. 1 e Cotidiano, pág. C3)

Córnea artificial pode ser opção mais segura para transplantes (Págs 1 e Ciência, pág. A18)
Editoriais
Leia "Delinquência estatal", acerca da quebra do sigilo fiscal de tucanos; e "Escalada persecutória", sobre ataques do governo argentino à imprensa. (Págs. 1 e A2)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo
 
Manchete: Violação de IR atingiu mais 3 tucanos
Sigilos de três pessoas ligadas ao PSDB, além do de Eduardo Jorge, foram quebrados; José Serra acusa Dilma Rousseff (PT) de fazer ´jogo sujo´

A Receita Federal vasculhou dados sigilosos de mais três pessoas ligadas ao comando do PSDB, além dos dados do vice-presidente do partido, Eduardo Jorge, informam os repórteres Leandro Colon e Rui Nogueira. As consultas ocorreram num intervalo de 15 minutos, em 8 de outubro de 2009. Servidores do Fisco abriram dados de Eduardo Jorge e de Luiz Carlos Mendonça de Barros, Ricardo Sérgio de Oliveira e Gregório Marin Preciado. Sabia-se que apenas informações de Eduardo Jorge haviam sido alvo de acesso e vazamento, com a finalidade de municiar dossiê para uso da campanha de Dilma Rousseff (PT).

Em Natal (RN), o candidato José Serra (PSDB) acusou a adversária de fazer ´jogo sujo" na campanha: "Trata-se de um crime contra a democracia e a Dilma Rousseff deve uma explicação ao País. Isso foi feito pela campanha dela, então ela deve explicação a esse atentado contra a democracia." (Págs. 1 e Nacional A4)

Dora Kramer : Crime organizado

A revelação de que além de Eduardo Jorge Caldas mais três pessoas ligadas ao PSDB tiveram seus sigilos fiscais violados deixa claro que quebras de sigilo não são fatos isolados e servem para montar armadilhas eleitorais. (Págs. 1 e Nacional A8)
STJ manda pagar perda com planos econômicos
Decisão afeta as cadernetas nos pacotes Bresser, Verão, Collor I e Collor II, mas pode excluir 40 milhões de poupadores

A 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça garantiu aos correntistas o pagamento da diferença da correção das cadernetas de poupança em razão dos planos Bresser, Verão, Collor I e Collor II. A decisão derruba cerca de 1.100 ações coletivas que beneficiariam 40 milhões de poupadores e que, em termos financeiros, poderiam causar as maiores perdas para os bancos. Os ministros consolidaram entendimento de que os bancos devem pagar aos correntistas a diferença entre os índices aplicados logo que entraram em vigor os planos e o que era pago antes, com base na inflação. O assunto ainda será discutido no Supremo Tribunal Federal. (Págs. 1 e Economia D1)

R$ 105,9 bilhões

É o quanto os bancos devem perder se forem derrotados no Supremo. (Pág. 1)
Petróleo para capitalização deve custar perto de US$ 8
O preço das reservas de petróleo que serão cedidas pela União à Petrobras no processo de capitalização deve ficar em torno de US$ 8 por barril. Essa foi a posição levada para reunião no Planalto. A cifra fica a meio caminho dos números sugeridos pelas consultorias contratadas por Petrobras e Agência Nacional do Petróleo - US$ 6 e US$ 12. O valor da transferência dos 5 bilhões de barris para a estatal atingirá US$ 40 bilhões. (Págs. 1 e Economia B4)
Debate Estadão/Gazeta: Alckmin e Mercadante duelam
O debate Estadão/TV Gazeta, que reuniu na noite de terça-feira os candidatos ao governo paulista, foi marcado por um duelo entre Geraldo Alckmin (PSDB) e Aloizio Mercadante (PT) sobre a qualidade dos programas de educação. Alckmin, líder nas pesquisas eleitorais, foi alvo dos principais ataques feitos por todos os candidatos presentes ao debate. (Págs. 1 e Nacional A10)

Alckmin, candidato do PSDB
"Meu governo não teve e não terá aloprados." (Pág. 1)

Mercadante, candidato do PT
"As Etecs e Fatecs são boas, mas é preciso implantar ensino de tempo integral." (Pág. 1)
Encontrados no México corpos de 72 imigrantes
Autoridades mexicanas encontraram 72 corpos de imigrantes em uma fazenda em San Fernando, na região da fronteira com os EUA. Entre as vítimas estão quatro brasileiros, segundo o Itamaraty. O grupo tentava entrar ilegalmente em território americano. (Págs. 1 e Internacional A18)
Para SIP, governo argentino quer controlar imprensa
A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) criticou o projeto da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, de declarar de
"interesse público" a produção, distribuição e comercialização no país de papel de jornal. Segundo a SIP, o projeto ambiciona estabelecer um "controle da mídia". (Págs. 1 e Internacional A17)
Casos suspeitos de micobactérias já são 78 (Págs. 1 e Vida A21)
 
Notas e Informações
A arma do papel-jornal

Do vasto arsenal de formas de arrocho da mídia na América Latina, a argentina Cristina Kirchner parece ter escolhido antigo estratagema: estabelecer cotas do insumo para cada jornal. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Brasil
 
Manchete: Decisão do STJ enquadra bancos
Correção de planos agora depende apenas do STF

Os bancos privados e a Caixa Econômica Federal terão de pagar as diferenças de correção monetária de valores depositados em cadernetas de poupança que tiveram rendimentos sustados pelos planos Bresser, Verão, Collor I e Collor II, segundo decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). O prazo de prescrição é de 20 anos para ações individuais e de cinco anos para ações coletivas, que representariam um total de cerca de R$ 100 bilhões. As instituições financeiras nutrem a esperança de que o Supremo Tribunal Federal (STF) tenha entendimento diferente. (Págs. 1 e Economia A18)
Quatro brasileiros são mortos em chacina no México
Quatro dos 72 corpos encontrados numa fazenda no norte do México são de brasileiros, segundo o Itamaraty. O grupo, formado também por equatorianos, salvadorenbos e hondurenhos, e que tentava atravessar a fronteira, teria sido morto por um cartel do narcotráfico. (Págs. 1 e Internacional A19)
Traficantes driblam as UPPs usando o disque-drogas
Para driblar a ação das UPPs, traficantes estão usando uma espécie de disque-drogas. Nas favelas onde a vigilância da polícia é forte, os traficantes recebem as encomendas dos usuários e buscam as drogas em áreas ainda não pacificadas, através de motoqueiros. (Págs. 1 e Cidade A7)
Foto-legenda: À espera da ração de solidariedade
Meninas paquistanesas aguardam sua cota de alimento num campo de desabrigados das enchentes em Muzaffargam. (Pág. 1)


CPI faz carga em Arruda e Roriz
A CPI da Codeplan, da Câmara do Distrito Federal, aprovou relatório que pede indiciamento de 22 pessoas por corrupção, entre elas o ex-governador José Roberto Arruda (sem partido) e Joaquim Roriz (PSC), candidato ao governo do DF. (Págs. 1 e País A3)
Novas vítimas de quebra de sigilo
Outros três personagens ligados a José Serra e Fernando Henrique Cardoso, além do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, tiveram seus sigilos fiscais vasculhados através de senha da Receita Federal. (Págs. 1 e País A4)
CIA diz que EUA exportam terror
Os Estados Unidos são exportadores de terroristas, segundo relatório sigiloso da CIA publicado pelo site WikiLeaks. O documento cita diversos casos em que cidadãos americanos financiaram ataques pelo mundo. (Págs. 1 e Internacional A19)
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense
 
Manchete: Metade da PM está fora das ruas
A Polícia Militar do DF tem um efetivo de 14 mil homens. Mas metade deles ficam nos gabinetes, dedicados a atividades burocráticas ou a áreas como inteligência, planejamento e logística. Em tese, o restante da tropa estaria voltado ao policiamento, mas o regime especial de serviço reduz ainda mais a vigilância nas ruas. Como os agentes da lei trabalham um dia na ronda para ganhar três dias de folga, a segurança dos brasilienses está a cargo de 2,6 militares, em média. Especialistas ouvidos pelo Correio reprovam o esquema de trabalho da PM. “Em São Paulo, dos 95 mil policiais, apenas 5% exercem funções burocráticas”, compara José Vicente da Silva, ex-secretário Nacional de Segurança. O chefe do Departamento Operacional da PM, coronel Alberto Pinto, aprova o modelo. “Estamos conseguindo realizar um bom trabalho, tanto que o índice de crimes na região central de Brasília caiu bastante.” (Págs. 1 e 43)
Foto legenda: Não aos fichas sujas
Procurador-geral eleitoral dá parecer contrário à candidatura de Roriz. Ao barrar deputado, TSE confirma que nova lei é retroativa (Págs. 1, 6 e 39)
Câncer: SUS amplia tratamento
O Ministério da Saúde autorizou a inclusão de nove procedimentos novos na rede pública. A mudança vai permitir o uso de drogas mais modernas no combate à doença. (Págs. 1 e 12)
Foto legenda: UnB anuncia 3.958 aprovados
Primeiro colocado no vestibular de inverno da Universidade de Brasília (UnB), Nelson Isamo Trindade comemorou ao lado do segundo lugar, Felipe Vincent Pereira. Ambos foram aprovados em medicina.
Veja a lista dos calouros (Págs. 1 e 45 a 50)
CPI da Codeplan: 22 indiciados em esquema de corrupção
Além dos ex-governadores Roriz e Arruda, o relatório final da CPI da Codeplan da Câmara Legislativa lista 22 pessoas envolvidas no esquema que, durante 11 anos, desviou R$ 4,2 bilhões dos cofres públicos do DF. (Págs. 1, 37 e 38)
Via celular: Torpedo para deputados trabalharem
A Mesa Diretora abriu licitação para contratar um serviço de envio de mensagens a fim de alertar os parlamentares sobre reuniões, sessões e votações da Casa. O custo é de R$ 168 mil por ano. (Págs. 1 e 9)
Foto legenda: 72 imigrantes são mortos no México
Quatro brasileiros estão entre as vítimas do massacre. Um grupo de 76 pessoas tentava chegar à fronteira com os EUA, mas foi atacado por narcotraficantes, segundo relato de um dos sobreviventes. (Págs. 1 e 30)
Crime da 113 Sul: Vidente e o marido estão soltos
A Justiça concedeu habeas corpus a Rosa Jaques e a João Tocchetto, acusados de atrapalhar as investigações do triplo assassinato. Adriana Villela, também na cadeia, depôs ontem à polícia. (Págs. 1 e 44)
Concursos no DF e em Goiás têm 332 vagas (Págs. 1 e 24)
 
Banco vai ressarcir poupadores, decide o STJ (Págs. 1 e 16)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico
 
Manchete: Fundos do Brasil testam o instável mercado externo
Gestores e investidores brasileiros estão descobrindo o mercado internacional. Hoje, 58 assets têm aplicações no exterior de R$ 3,45 bilhões, ou 46% acima dos R$ 2,37 bilhões de dezembro, revela estudo feito pelo economista Raphael Weyne, com dados da Economática. Apenas em 2010, foram criados 25 fundos com aplicação no exterior, elevando o total a 129 carteiras.

O volume ainda é modesto em relação ao total aplicado no setor de fundos: 0,2% de R$ 1,4 trilhão. Mas o crescimento mostra uma tendência de diversificação, afirma Weyne. O fato de a regulamentação para aplicar no exterior ter saído pouco antes da crise mundial explica o pequeno desenvolvimento dessa estratégia. (Págs. 1 e D1)
Foto legenda: Posição estratégica
A cidade de Goiana (PE) vai abrigar a primeira fábrica de vacinas da Novartis na América Latina. O investimento pode chegar a US$ 500 milhões, diz Alexander Triebnigg. (Págs. 1 e B1)
Governo estuda criar outra reserva em RR
Está na mira do governo federal a área escolhida por parte dos produtores rurais que tiveram de sair da reserva indígena Raposa Serra do Sol por determinação judicial. Parte do município do Bonfim, em Roraima, pode ser transformada em unidade de conservação ambiental e, dessa forma, não poderá ser habitada nem ter exploração agrícola. Um estudo do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade, ligado ao Ministério do Meio Ambiente, prevê a criação do Parque Nacional do Lavrado na região. Moradores reagiram e o governo recuou, ao afirmar que o projeto ainda está em análise. Os proprietários, no entanto, temem que a proposta seja retomada após as eleições.

Quatro grandes arrozeiros que estavam na Raposa Serra do Sol têm plantações no Bonfim, município próximo à reserva. O governo federal identificou quatro áreas onde poderia ser criado o Parque Nacional do Lavrado. O fazendeiro Genor Faccio teme ser afetado novamente.
"Sempre tive consciência de que a máquina da demarcação de terras iria continuar depois da Raposa". (Págs. 1 e A12)
BR, butique com dinheiro familiar
Com estrutura diferenciada, em que todos os executivos são sócios e todos, mesmo os recém-formados, têm de entrar com algum dinheiro no capital, a butique de serviços financeiros BR Partners levantou cerca de R$ 65 milhões. "Todo mundo é obrigado a investir, porque queremos criar uma cultura de comprometimento com a instituição e com o cliente", diz Ricardo Lacerda, ex-Goldman Sachs e ex-Citi, um dos três fundadores.

A butique tem um outro aspecto curioso em sua constituição. A outra metade dos R$ 130 milhões do capital veio de 11 famílias de empresários brasileiros. Alguns nomes que autorizaram a divulgação são João Alves de Queiroz Filho, o Junior, dono da Hypermarcas, e a família Feffer, da Suzano. As famílias entraram apenas como investidores financeiros. "Nosso ponto de contato com o mercado é o empreendedor brasileiro. Queremos entrar nos negócios por meio deles, assessorá-los e gerir seu patrimônio", explica Lacerda. (Págs. 1 e C10)
Santander financia aviões para a Azul
O Santander e o BNDES desenvolveram operação inédita de financiamento à compra de seis aeronaves Embraer 195 pela Azul. Segundo o superintendente executivo do Santander, Maurício Cesar Farias, o banco é o proprietário dos aviões e investiu entre 15% e 20% de capital próprio na aquisição. O banco fará leasing operacional para a Azul por 12 anos.

O restante foi financiado pelo BNDES, com garantia da Sociedade Brasileira de Crédito à Exportação. "Além de ser a primeira vez que um banco privado participa do financiamento de uma aeronave brasileira junto com o BNDES, a operação é inovadora porque envolve uma estrutura internacional de alavancagem fiscal, apoiada pelo governo espanhol", diz o chefe do Departamento de Comércio Exterior do BNDES, Márcio Migon. Para a Azul, a principal vantagem foi ter financiamento de 100% dos aviões. Usualmente, o caixa da empresa teria que bancar de 15% a 20% da compra, diz o vice-presidente, John Rodgerson. (Págs. 1 e C1)
Lojas se reinventam com tecnologia digital
Empresas de marketing experimentam uma nova onda de tecnologias digitais para oferecer produtos enquanto as pessoas fazem compras. Entre elas estão espelhos interativos em provadores, quiosques com atendentes virtuais e scanner digital e carrinhos que oferecem descontos personalizados.

Um punhado de varejistas, entre eles a J.C. Penney, a rede Stop & Shop Supermarket e a cadeia de eletrônicos Best Buy, começou a testar versões básicas desses equipamentos. (Págs. 1 e B4)
Cosan e Shell ampliam escopo de parceria e admitem investir no exterior (Págs. 1 e B7)
 
Zara tenta repetir no mundo virtual o sucesso de suas lojas (Págs. 1 e B8)
 
´Palácios´ superam a crise
Apesar da persistência da crise, os hotéis de altíssimo luxo de Paris alcançaram ocupação de 90,5% nesta temporada de verão, ante 47% em 2009. Mais quatro empreendimentos estão previstos para a cidade. (Págs. 1 e B4)
Concentração aérea
Neste ano, as fusões realizadas no setor de transporte aéreo já somam US$ 12,8 bilhões, frente aos US$ 8,2 bilhões de 2009. E o movimento de consolidação deve continuar. (Págs. 1 e B4)
Consumidor busca alívio
O calor e a baixa umidade do ar que atingem as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país fazem disparar as vendas de umidificadores e outros produtos como hidratantes e soro fisiológico. (Págs. 1 e B5)
Biomassa desafia eólicas em leilão
As usinas de açúcar e álcool prometem ser agressivas nos leilões de energia que serão realizados hoje pelo governo. A Bunge, estreante nesses certames, é um dos maiores ofertantes, com 300 MW. (Págs. 1 e B6)
Obras animam setor ceramista
O bom momento do setor de construção, puxado por programas habitacionais, alavanca a indústria de cerâmica vermelha (tijolos, telhas e blocos), que deve encerrar o ano com crescimento de 20%. (Págs. 1 e B7)
Cadeia citrícola segue sob pressão
Problemas de oferta causados por questões fitossanitárias e climáticas elevaram o preço da laranja no último ano, mas o processo de ajuste a um cenário de consumo menor permanece. (Págs. 1 e B10)
Produquímica amplia capacidade
Fornecedora de micronutrientes (cobre, zinco, manganês etc.) para o setor de fertilizantes, a Produquímica vai investir R$120 milhões na construção de sua décima fábrica e no aumento da produção. (Págs. 1 e B11)
Sequestro de bens dos Brandalise
A Justiça Federal determinou o sequestro dos bem de três ex-executivos da Perdigão, acusados de crimes de sonegação fiscal que podem chegar a R$ 750 milhões. (Págs. 1 e B11)
Educação financeira
Os clubes de ações registrados na BM&FBovespa - uma das melhores alternativas para o investidor iniciante no mercado acionário - já são mais de 3,3 mil, com 137 mil cotistas e patrimônio de R$ 12,4 bilhões. "A ideia é que eles aprendam a gerir a própria carteira", diz Robson Queiroz, da corretora SLW. (Pág. 1)
Indébito pode gerar multa
A Receita Federal vai multar em 50% as empresas que reclamarem indevidamente a devolução de tributos, mesmo se constatada a boa-fé do contribuinte. (Págs. 1 e E1)
Ideias
Ribamar Oliveira

É um equívoco acreditar que o Brasil precisa de ajuste fiscal duro, como o feito no primeiro mandato do presidente Lula. (Págs. 1 e A2)
Ideias
Maria Inês Nassif

Serra oscila entre a excessiva condescendência com Lula e um discurso agressivo destinado a um governo que é de Lula. (Págs. 1 e A6)
------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora
 
Manchete: Bancos vão pagar só parte das perdas de planos econômicos
Encerrando polêmica de mais de duas décadas, STJ limita direito a ressarcimento a ações coletivas abertas até cinco anos após os pacotes e individuais, até 20 anos.

Como a decisão afeta o poupador

Quem ainda pode entrar com ação

Confira os índices definidos pela Corte

(Págs. 1, 4 e 5)
Italiano preso: Investigação sobre a máfia surpreende RS
Sócio de empresa com representação na Capital, Longobardi intermediou vendas milionárias. (Págs. 1 e 42)
Mais controle: União cobra resultado dos portos
No caso de Rio Grande, governo federal questiona se a receita é reinvestida no terminal. (Págs. 1 e 18)
------------------------------------------------------------------------------------
 
 
Dilma abre 20 pontos e já ultrapassa Serra em SP e no RS
Publicidade
FERNANDO RODRIGUES
DE BRASÍLIA
A candidata do PT a presidente, Dilma Rousseff, manteve sua tendência de alta e foi a 49% das intenções de voto. Abriu 20 pontos de vantagem sobre seu principal adversário, José Serra, do PSDB, que está com 29%, segundo pesquisa Datafolha. Os contratantes do levantamento são a Folha e a Rede Globo.
Realizada nos dias 23 e 24 com 10.948 entrevistas em todo o país, o levantamento também indica que Dilma lidera agora em segmentos antes redutos de Serra. A petista passou o tucano em São Paulo, no Rio Grande do Sul e no Paraná e entre os eleitores com maior faixa de renda.
Em São Paulo, Estado governado por Serra até abril e por tucanos há 16 anos, Dilma saiu de 34% na semana passada e está com 41% agora. O ex-governador caiu de 41% para 36%.
Na capital paulista, governada por Gilberto Kassab (DEM), aliado de Serra, ela tem 41% e ele, 35%.
No Rio Grande do Sul, a petista saiu de 35% e foi a 43%. Já Serra caiu de 43% para 39% entre os gaúchos.
A margem de erro máxima da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Todas as oscilações nacionais se deram dentro do limite.
Dilma tinha 47% na sondagem do dia 20 e foi a 49%. Serra estava com 30% e agora tem 29% Marina Silva (PV) manteve-se em 9%. Há 4% que dizem votar em branco, nulo ou em nenhum. E 8% estão indecisos. Os demais candidatos não pontuaram.
Se a eleição fosse hoje, Dilma teria 55% dos votos válidos (os que são dados apenas aos candidatos) e venceria no primeiro turno.
Serra se mantém ainda à frente em alguns poucos extratos do eleitorado. Por exemplo, entre os eleitores de Curitiba, capital do Paraná, onde registra 40% contra 31% de sua adversária direta.
´BOLSÕES´
Mas o avanço da petista ocorre também nesses bolsões serristas. No levantamento de 9 a 12 deste mês, Serra liderava entre os curitibanos com 43% contra 24% de Dilma, uma vantagem de 19 pontos. Agora, a diferença caiu para nove pontos.
Quando se observam regiões do país, a candidata do PT lidera em todas, inclusive no Sul. Na semana passada, ela estava tecnicamente empatada com Serra, mas numericamente atrás: tinha 38% contra 40% do tucano.
Agora, a situação se inverteu, com Dilma indo a 43% e o tucano deslizando para 36% entre eleitores sulistas.
SEGUNDO TURNO
Como reflexo de seu desempenho geral, Dilma também ampliou a vantagem num eventual segundo turno. Saiu de 53% na semana passada e está com 55%. Serra oscilou de 39% para 36%. Ampliou-se a distância, que era de 14, para 19 pontos.
Outro dado relevante e que indica um mal sinal para o tucano é a taxa de rejeição. Dilma é rejeitada por 19% dos eleitores, taxa que se mantém estável desde maio.
Já Serra está agora com 29% (eram 27% semana passada) e chega a seu maior percentual neste ano.
Na pesquisa espontânea, quando os eleitores não escolhem os nomes de uma lista de candidatos, Dilma foi a 35% contra 18% de Serra.
No levantamento anterior, os percentuais eram 31% e 17%, respectivamente.
A pesquisa está registrada no TSE sob o número 25.473/2010.
 
 
 
Analândia
Vereadores rejeitam abertura de inquérito para investigar obra no calçadão
Prefeitura recebeu do Estado R$ 1,9 milhões para reforma, mas obra está parada
25/08/2010 - 15:51
O pedido de instauração de uma Comissão Especial de Inquérito para investigar a obra do calçadão de Analândia, na região Central do Estado de São Paulo, foi rejeitado por quatro votos a três na Câmara de Vereadores, na noite de terça-feira (25).
Há 15 dias, moradores realizaram uma manifestação pedindo esclarecimentos sobre a paralisação da obra e a entregaram um documento que pedia a instauração de uma Comissão de Inquérito.
A cobertura do calçadão foi interrompida porque a empresa responsável pela construção não seguiu o projeto original. A prefeitura fará uma nova licitação para contratar outra empresa e reiniciar a obra. A licitação deve ocorrer dentro de quatro meses.
Em relação a verba de R$ 1,9 milhões fornecida pelo Governo do Estado para a realização obra, o prefeito Luiz Garbuio disse que ela não foi utilizada e está guardada em conta.
 
 
 
Troféu RECONHECIMENTO DA VERDADE
 
 
 
                         Valeu Sinhô... o povo guarda na memoria a sua verdade!!!!
 
 
 
Estado do Rio terá que pagar R$ 50 mil a pai de criança vítima de bala perdida
GABRIELA CANSECO
DO RIO
A Justiça do Rio determinou que o governo estadual deve pagar R$ 50 mil de indenização por dano moral ao pai de uma criança de 11 anos vítima de bala perdida. A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio modificou a sentença de primeiro grau que havia julgado improcedente o pedido.
A filha de José Fernando de Oliveira morreu em dezembro de 2007 após ser atingida por um tiro durante confronto entre policiais militares e traficantes no Morro dos Telégrafos, no Complexo da Mangueira, zona norte do Rio.
Para o relator do processo, desembargador Alexandre Freitas Câmara, o Estado tem o dever de reparar os danos sofridos.
"Relativamente ao dano moral, releva notar que tal se caracteriza em virtude do próprio fato e independentemente da produção de outras provas, sendo de todo presumíveis os sentimentos de dor e angústia suportados pelo autor, diante da perda de sua filha em tais circunstâncias", afirmou o magistrado.
Além da indenização por dano moral, José Fernando de Oliveira receberá pensão de dois terços do salário mínimo, a partir da data em que a vítima completaria 14 anos até a data em que faria 25 anos de idade. A partir de então, a pensão será de um terço do salário mínimo até a data em que a vítima completaria 65 anos de idade ou até o falecimento do autor.
 
 
Se nos anos de 1940 existisse internet, Hitler não teria assassinado milhões de judeus.
 
Buya neles!!!
 
 
- Buya




Buya ©.Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta
página em qualquer meio de comunicação.