- Links
» Página Inicial
» Estadão
» Revista Veja
» Revista Época
» Folha de São Paulo
» Revista Isto É
» Revista Carta Capital
» Prefeitura de Pirassununga
-
BALAIO DO BUYA
Jornal Virtual
-
» Contato
 
 
- Balaio do Buya
Dizimista 255

 

 
 
Edição nº 255, de 13 de setembro de 2010
 
 
O mundo mágico da Internet
 Pirassununga - SP
 
O Dizimista– Primeiro jornal virtual de Pirassununga
SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS
13 de setembro de 2010
O Globo
 
Manchete: Filho de ex-braço direito de Dilma trabalhou no governo
Israel Guerra tinha cargo comissionado na Anac; irmão dela atuou na Infraero

Acusado de atuar como lobista para intermediar interesses de empresas privadas junto ao governo, Israel Guerra, filho da ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, exerceu cargo comissionado na Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) entre junho de 2006 e agosto de 2007. Erenice foi braço direito de Dilma Rousseff e assumiu o cargo em março, quando a petista saiu para disputar a Presidência. A Capital, empresa ligada a Israel, ajudou a Master Top Airlines (MTA) a renovar licença junto à Anac, em 2009. A concessão permitiu que a MTA continuasse voando para transportar cargas para os Correios. Outro familiar de Erenice, o irmão e advogado Antonio Eudacy Alves Carvalho, teve contrato especial com a Infraero, entre 2003 e 2007, Israel Guerra e Vinícius Castro, este ainda hoje assessor da Casa Civil, são, segundo reportagem da "Veja", os verdadeiros donos da Capital. (Págs. 1 e 9)

Peregrino, do PR; inicia série de sabatinas do GLOBO com candidatos ao governo do estado (Págs. 1 e 12B)

Escândalos marcam debate
A quebra de sigilos de tucanos na Receita e a denúncia de tráfico de influência na Casa Civil marcaram o debate entre os principais candidatos à Presidência, ontem, especialmente nos ataques entre Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB). A petista minimizou o caso que envolve a ministra da Casa Civil, Erenice Guerra: "Não vou aceitar que se julgue a minha pessoa baseado no que aconteceu com um filho de uma ex-assessora." (Págs. 1 e 3 a 12)

Foto legenda: Marina, Dilma, Plínio e Serra, com o mediador ao centro, no debate de ontem à noite: casos da Receita e de tráfico de influência na Casa Civil esquentaram o clima entre eles
Militares são indiciados por fraudes
Quatro pessoas - entre elas um coronel e um major do Exército - foram indiciadas no IPM que investiga as denúncias de um esquema fraudulento em licitações do Instituto Militar de Engenharia (IME), revelado pelo GLOBO em maio. O coronel teria comprado um imóvel na Urca com o cheque de um civil envolvido no escândalo. (Págs. 1 e 13)
Bolsas mundiais perdem US$ 17 tri em valor de mercado com a crise financeira (Págs. 1 e 19)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo
 
Manchete: Dilma se distancia de Erenice e chama Serra de caluniador
Em debate Folha/RedeTV!, tucano culpa petista por dossiê que traz violação de sigilo fiscal

A candidata Dilma Rousseff (PT) tentou se distanciar da ministra Erenice Guerra (Casa Civil) no debate Folha/RedeTV! ao dizer que não aceita ser julgada pelo comportamento do filho de sua principal auxiliar. Um dos filhos da ministra é acusado de fazer lobby para empresa aérea no governo.

Ela não respondeu se colocaria a mão no fogo pelo comportamento de Erenice.

Dilma chamou José Serra (PSDB) de caluniador quando ele acusou a campanha petista de ter produzido dossiês contra tucanos.

Já Serra disse que Dilma usa o aparato do governo para proteger petistas e perseguir adversários.

Marina Silva (PV) disse que a violação de sigilo fiscal virou um ato banal a ponto de o governo admitir que o crime é rotineiro.

Plinio de Arruda Sampaio (PSOL) arrancou risos com brincadeiras. (Págs. 1 e Eleições)

Marina venceu, avalia grupo que analisou evento

Na opinião de eleitores que analisaram o debate, Marina Silva (PV) se saiu melhor, seguida por Dilma (PT). O pior desempenho foi atribuído a Plinio de Arruda Sampaio (PSOL).

Segundo a segundo, o grupo deu notas para cada resposta e avaliou os melhores ao final. (Págs.1 e Eleições Pág. 6)

Fernando Canzian
Debate na TV foi um festival de pegadinhas

Ainda bem que existem no Brasil meta de inflação, câmbio flutuante e superavit primário. É isso o que nos sustenta. Digam o que digam os candidatos. Mas o debate foi um festival de pegadinhas e banalidades e pouco serviu para esclarecer coisa alguma. (Págs. 1 e Eleições Pág. 5)

Foto legenda: Os candidatos José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), que protagonizaram o maior duelo da campanha, em debate ontem
Família de ministra teve empregos no governo
A ministra Erenice Guerra (Casa Civil) teve quatro parentes em cargos do governo - um filho e três irmãos.

Um dos filhos, Israel, é apontado como lobista que intermediou contrato de empresa com os Correios.

Ele trabalhou na Agência Nacional de Aviação Civil de 2006 a 2007. Em 2009, ajudou a empresa a apressar uma licença. Erenice diz que não assinou nomeações. Para Dilma, é "assunto do governo". (Págs. 1 e Eleições Pág. 3)
Servidora diz que acessou dados fiscais por amizade (Págs. 1 e Eleições Pág. 3)
 
Autoescolas vão ter de aprovar 60% de alunos ou irão fechar
Autoescolas terão que aprovar a cada ano 60% dos candidatos que fizerem exames para tirar a habilitação ou serão descredenciadas.

A regra, fixada pelo Contran (Conselho Nacional de Trãnsito), visa melhorar o nível dos cursos e inibir a indústria da reprovação.

Mas especialistas temem que, num ambiente historicamente marcado por corrupção, a exigência estimule acordos entre instrutores e examinadores para aprovações automáticas. (Págs. 1 e C1)
Só 11% dos que acabam ensino médio sabem matemática
Só 11% dos alunos que concluem o ensino médio têm conhecimento adequado de matemática para esse nível, relata Antônio Gois.

Um quinto dos que terminam o ensino médio não sabe em matemática o que se espera de um estudante do 5° ano do fundamental, a antiga 4ª série. Os resultados, obtidos pela Folha, aparecem em avaliações do Ministério da Educação: Prova Brasil e Saeb. (Págs. 1 e C6)
Vermelhos de raiva
O boicote de consumidores de maior poder aquisitivo a artigos na cor vermelha ganha força conforme se aproxima a eleição parlamentar venezuelana do dia 26. Uma corrente pede que eleitores que se opõem a Hugo Chávez usem roupa branca na votação. (Págs. 1 e A8)
Editoriais
Leia "Poder metropolitano", propondo nova autoridade para regular trânsito de São Paulo; e "Deficit eletrônico", sobre incentivos à indústria do chip. (Págs. 1 e A2)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo
 
Manchete: Irmã de ministra deu aval a contrato sem licitação com governo
Escritório de outro irmão de Erenice Guerra foi contratado por empresa de energia

Consultora jurídica da Empresa de Pesquisa Energética, Maria Euriza Alves Carvalho, irmã da ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, autorizou a contratação sem licitação, em setembro de 2009, do escritório Trajano e Silva Advogados. Entre os advogados do escritório está Antônio Alves Carvalho, irmão da ministra. No centro do contrato está a pasta de Minas e Energia, setor que tem influência de Erenice e Dilma Rousseff. Reportagem da revista Veja informa que o escritório é usado por Israel Guerra, filho de Erenice, para fazer lobby com empresários que buscam negócios com o governo. (Págs. 1 e Nacional A4)

Márcio Silva
Do escritório Trajano e Silva Advogados
"Você até pode achar que há algo antiético, mas não houve nenhuma ilegalidade"
Caderno Especial: Desafios do novo presidente: Democracia à brasileira
No quarto caderno da série, especialistas discutem os rumos da democracia no Brasil: o ciclo de atendimento a necessidades básicas sobrepondo-se à legitimidade ética e à legalidade. O risco de um eleitorado politicamente dependente e de uma imprensa sob controle. O sumiço do "centro" no espectro político brasileiro. (Pág. 1)
Sobrepreço no Amapá chega a 2.763%
Em um único contrato da Secretaria de Educação do Amapá, a Operação Mãos Limpas detectou superfaturamento de 2.763%. Segundo a Polícia Federal, o presidente da comissão de licitação era também gerente da empresa vencedora. Na sexta, 18 autoridades foram presas. (Págs. 1 e Nacional A8)
BCs fecham acordo para blindar bancos
Em reunião na sede do Banco de Compensações Internacionais (BIS), na Suíça, autoridades monetárias de 26 países, mais a União Europeia, fecharam acordo ontem para a criação de normas que visam a fortalecer o sistema financeiro mundial. Batizado de Basileia 3, o acordo prevê medidas que possam enfrentar turbulências de mercado e crises de liquidez das instituições, começando pela elevação de 2% para 7% do capital mínimo exigido dos bancos. A adaptação às novas regras começa em janeiro de 2013. (Págs. 1 e Economia B1 e B3)

Henrique Meirelles
Presidente do Banco Central
“Com a aplicação das normas de Basileia 3, algumas Instituições financeiras vão reduzir bastante as distribuições de lucro até 2019"
Israel libera obras em assentamentos
O premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, ignorou apelo dos EUA e disse que a expansão dos assentamentos judaicos na Cisjordânia não será congelada. Palestinos consideram congelamento fundamental para negociações de paz. (Págs. 1 e Internacional A12)
Explorar biodiversidade depende de parcerias (Págs. 1 e Vida A18)
 
Barra Funda ´explode´, sem infraestrutura (Págs. 1 e Cidades C1)
 
Denis Lerrer Rosenfield: A democracia e as oposições
Se os prognósticos se confirmarem nas eleições, as oposições estariam arrasadas, colocando o problema de uma reconfiguração partidária. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)
Notas & Informações: A nova fronteira marítima
O Brasil deveria aguardar decisão da ONU antes de expandir sua plataforma continental. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Brasil
 
Manchete: Tiroteio de ‘balas de prata’ na reta final
Especialistas criticam o denuncismo na mídia

Peritos em ética jornalística criticam as denúncias de supostas irregularidades contra os dois principais candidatos na reta final da campanha presidencial. Na mídia, Dilma Rousseff viu sua substituta na Casa Civil acusada de intermediar contratos através do filho, que teria recebido comissão de R$ 5 milhões. José Serra foi atingido pela acusação de que sua filha teria participação no vazamento de dados de 60 milhões de contribuintes. Como nada será apurado pela Justiça antes de 3 de outubro, o resultado do pleito pode ser influenciado pelas denúncias. (Págs. 1 e País, 2)
Cadê o trigo?
Seca e incêndios fizeram o trigo sumir das prateleiras de Moscou. Irritado, o povo lembra da carência dos tempos do comunismo. (Págs. 1 e Internacional, 12)
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense
 
Manchete: Onde estão os altos salários do setor privado
Cargos de média e alta gerências no país sofreram uma valorização generalizada, devido à falta de profissionais qualificados e à recuperação da economia. Na área de contabilidade e finanças, por exemplo, os vencimentos aumentaram 50% nos últimos dois anos. Numa empresa de grande porte, um executivo com experiência chega a ganhar R$ 23 mil. Especialistas em agronegócios e engenharia de novos produtos tiveram reajustes de 40% e 25% em um ano. Também estão em destaque as áreas de tecnologia da informação e marketing. (Págs. 1 e 9)
Concurso do Ministério Público da União teve baixo índice de abstenção nos dois dias. Gabarito sai amanhã (Págs. 1 e 10)
 
Coligações: Eles sofrem a síndrome do camaleão
Inimigos históricos viram a casaca e tornam-se aliados dos seus rivais assim que chegam ao poder. Entre os políticos brasileiros, a prática é comum e, geralmente, rende cargos importantes na composição da base do governo. (Págs. 1 e 2)
Eleição: Candidatos ao governo do DF responderão a perguntas de leitores no debate de amanhã. (Págs. 1 e 21)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico
 
Manchete: Atraso em linhões afeta geradoras e consumidor
Os projetos de construção de linhas de transmissão se tornaram o principal gargalo do setor elétrico. Levantamento realizado pelo Valor na base de dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostra que 40% dos 18 mil quilômetros de linhas de transmissão licitadas desde 2006 estão com as obras atrasadas. O principal motivo é a falta de licenciamento ambiental. Ao todo, são 6.740 quilômetros de linhas, de 62 projetos diferentes, que registram atraso médio de 12 meses. Levando-se em conta os 15 maiores, o atraso médio chega a 25 meses.

A situação deve ficar pior porque os linhões do Madeira, que vão ligar Porto Velho (RO) a Araraquara (SP) e foram licitados em 2008, ainda não saíram do papel. O cronograma para a entrada em operação comercial dessas linhas é registrado como "normal" pela Aneel, mas as datas previstas para os licenciamentos já tem uma defasagem de pelo menos três meses. Se essas linhas entrarem no rol dos atrasos, subirá de 40% para 65% o percentual das linhas licitadas desde 2006 com registro de atraso. O problema maior será para os donos das usinas de Jirau e Santo Antônio, que trabalham com a antecipação dos empreendimentos para escoar a energia e dependem dessas linhas. O plano B seria usar uma rede de baixa capacidade que interliga Porto Velho ao Acre. (págs. 1 e A10)
Japoneses compram mais bônus
Os japoneses ultrapassaram os investidores americanos como os principais compradores de dívida externa corporativa brasileira de médio e longo prazos neste ano. Dos US$ 12,666 bilhões vendidos até julho, US$ 6,51 bilhões, ou 51,4%, foram adquiridos por investidores no Japão, diz o Banco Central. É um aumento de 450% em relação ao mesmo período de 2009. Mas o apetite japonês tem se destacado não só em papéis brasileiros em dólar. Anita Fung, responsável pela área de atacado do HSBC na Ásia, diz que a venda de ações e títulos em reais para os japoneses bateu recorde histórico. (Págs. 1 e C1)
País cresce e o brasileiro trabalha menos
O crescimento econômico reduziu a jornada de trabalho do brasileiro. Em dois anos, o número de ocupados nas principais regiões metropolitanas que cumprem jornada semanal superior às 44 horas previstas na Constituição caiu quase quatro pontos percentuais. Do total de ocupados, 32% trabalhavam 45 horas ou mais por semana em julho de 2008. Dois anos depois, em julho deste ano, o número de trabalhadores nessa situação recuou para 28,6%, segundo levantamento do Valor a partir de dados de três pesquisas do IBGE. (Págs. 1 e A3)
Foto legenda: Mais produção
Operando perto do limite de sua capacidade, a Nadir Figueiredo vai investir no aumento da produção, que com um novo forno incluirá itens de maior valor agregado, diz Mauro Marquezano. (Págs. 1 e B10)
Construtoras criticam as novas regras do Rodoanel
Lançado em agosto, o edital de concessão dos trechos Sul e Leste do Rodoanel é alvo de críticas. O governo paulista alterou o modelo de concessão e pretende entregar ao setor privado a responsabilidade pelos custos com desapropriações e riscos ambientais na construção do trecho Leste, junto com a gestão do trecho Sul, que já está em operação.

A construção do trecho Leste é estimada pelo governo em R$4 bilhões, ficando R$ 1,1 bilhão para os gastos com as desapropriações. As empresas alegam que esse custo é aproximado e pode ficar muito maior. Além disso, não é coberto pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que só financia a obra. Como a margem de retomo é arbitrada pelo governo em 8%, as construtoras argumentam que o negócio não se paga. Para Mauro Arce, secretário de Transportes de São Paulo, o risco é parte do negócio e não ameaça a licitação. (Págs. 1 e B8)
STJ aumenta valores de honorários
Advogados que atuam em ações milionárias têm recorrido cada vez mais ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para aumentar os honorários de sucumbência a que teriam direito. Esses valores são pagos por quem perde a ação e há um percentual mínimo fixado em lei. No entanto, nos processos contra a Fazenda Pública, o montante fica a critério do juiz. Os profissionais reclamam que nesses casos os valores estariam cada vez menores. Recentemente, o STJ reconheceu o direito de um advogado receber R$ 45 mil e não o R$ 1,2 mil inicial. (Págs. 1 e E1)
Dilma planeja ajuste ´sem alarde´
Estimular o financiamento privado da infraestrutura, uma reforma tributária focada no ICMS e na desoneração das exportações e dos investimentos produtivos, regulamentação da reforma da previdência dos funcionários públicos, aumento do tempo de contribuição para as aposentarias no setor privado, separação das aposentadorias rural e urbana e imposição de limites para a expansão dos gastos com pessoal deverão fazer parte da agenda econômica de um governo Dilma Rousseff, caso ela vença a eleição.

Nessa hipótese, integrantes da campanha dizem que, logo após a posse, Dilma também poderá oficializar a meta de redução da dívida pública líquida para 30% do PIB em 2014. Segundo fontes ouvidas pelo Valor, o anúncio seria uma forma de sinalizar o compromisso do novo governo com o equilíbrio fiscal. (Págs. 1 e A12)
Candidatos à presidência fazem debate acirrado (Págs. 1 e A13)
 
Bancos terão que aumentar capital e criar provisões para períodos de estresse (Págs. 1 e A16)
 
Importados mais baratos
Além da demanda doméstica e do câmbio, preços de importação em queda impulsionam as compras externas em alguns setores. De janeiro a julho, o preço médio dos bens de capital importados caiu 4,5%. (págs. 1 e A4)
Adidas gera polêmica em Manaus
A decisão da Adidas de construir uma fábrica para montagem de tênis de alta performance na Zona Franca enfrenta resistência de técnicos do governo, que veem manobra para driblar tarifas de importação. (Págs. 1 e B4)
Rio perde sua ´Meca do luxo´
Com dívidas superiores a R$ 10 milhões e alvo de 55 processos judiciais - um deles movida pela grife francesa Christian Dior -, o Espaço Lundgren, ícone do mercado carioca de luxo, está prestes a fechar as portas. (Págs. 1 e B5)
Varejo regional contra-ataca
Enquanto as grandes redes do varejo de móveis e eletrodomésticos avançam no mercado nordestino, concorrentes regionais do Sul do país também se expandem no Sudeste e Centro-Oeste. (Págs. 1 e B6)
Catalisador certificado
A partir de abril de 2011, todos os catalisadores automotivos vendidos no país, nacionais ou importados, terão de estampar o selo Inmetro. O objetivo é coibir os produtos falsificados. (págs. 1 e B8)
Praga ´aprende´ com transgênico
Quase 15 anos depois da primeira semente transgênica chegar ao mercado, começam a surgir ervas daninhas resistentes ao glifosato. Casos já são registrados nos EUA, Argentina e Brasil. (Págs. 1 e B13)
Servidão florestal
Até o mês que vem, o Estado de São Paulo registrará os dois primeiros contratos de servidão florestal, que permitem o ´aluguel´ de matas nativas por produtores desenquadrados na legislação ambiental. (Págs. 1 e B14)
Cultura Inflacionária
Apesar dos avanços dos últimos anos, a inflação ainda elevada e a "cultura do CDI" limitam o alongamento dos prazos das operações financeiras no país. (Págs. 1 e C8)
Mão de obra chinesa
Crescimento do ensino de mandarim ainda é insuficiente para atender a demanda das empresas com negócios na China. Em muitos casos, a saída tem sido a contratação de profissionais chineses. (Págs. 1 e D10)
Devedores do Simples
Das 3,9 milhões de empresas inscritas no Simples Nacional, cerca de 560 mil têm dívidas com o programa e poderão ser excluídas do regime. (Págs. 1 e E1)
Ideias
Mario Cordeiro de Carvalho Jr.

Proposta para Agência Brasileira de Garantias se equivoca ao reunir no mesmo órgão apoio às exportações e infraestrutura. (Págs. 1 e A18)
Ideias
Fabio Giambiagi

É tempo de aprender que existe uma restrição tributária e que não é possível aumentar a carga tributária indefinidamente. (Págs. 1 e A19)
------------------------------------------------------------------------------------
Estado de Minas
 
Manchete: PF teme aliança entre tráfico mineiro e morros cariocas
Chefe da Delegacia de Repressão a Entorpecentes alerta para a tendência de que bandidos do Rio, em dificuldades por conta da ocupação de favelas pela polícia pacificadora, comprem drogas de forma constante em Minas. “Os criminosos vão migrar para Minas e Paraná”, diz o delegado federal João Geraldo. Segundo ele, investigação recente já demonstrou que um traficante carioca veio a BH em busca de LSD e ecstasy. (Págs. 1, 21 e 22)
Anastasia defende os ideais de JK
Candidato à reeleição, governador destaca trajetória do ex-presidente durante a entrega da Medalha JK, em Diamantina. “São valores que ainda hoje nos inspiram a superar os grandes desafios”, disse o tucano. (pág. 1)
Foto legenda: Viaduto pela metade
Pontilhão que vai substituir o viaduto das almas, na br-040, é liberado apenas no sentido BH-RIO. Governo federal promete concluir a obra em novembro. (Págs. 1 e 23)
Hélio promete secretaria das mulheres
Peemedebista garante que, se for eleito governador, vai criar Secretaria de Políticas Públicas das Mulheres. Ele participou de plenária em BH e se disse confiante. “A minha alavancada é todo dia”, afirmou. (Págs. 1, 3 e 6)
Foto legenda: Um exército de pequenos trabalhadores
Levantamento do IBGE indica que mais de 4 milhões de crianças e adolescentes trabalham em todo o país, 477 mil deles em Minas. Na Feira de Artesanato da Afonso Pena, em BH, menino de 8 anos ajuda a mãe a catar latas todos os domingos. (Págs. 1 e 25)
Empresas devem mais de R$ 15 bi em FGTS
Valor se refere a empregadores que não recolheram o fundo de garantia. ONG estima que 250 mil empresas deixam de cumprir a obrigação todos os meses. (Págs. 1 e 14)
Economia global: Bancos terão de triplicar proteção contra crises (Págs. 1 e 15)
 
Tensão: Outro pastor americano decide queimar o Corão (Págs. 1 e 18)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Commercio
 
Manchete: O inferno coral (Pág. 1)
 
Qualificação é palavra-chave para obter emprego em Suape (Pág. 1)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora
 
Manchete: Nova denúncia acirra o confronto entre Dilma e Serra
Suspeita de tráfico de influência levantada contra sucessora da petista na Casa Civil esquentou o debate presidencial ontem à noite na TV. (Págs. 1, 6, 8 e Rosane de Oliveira (10)

Disputa ao Senado: Na mesa com Paulo Paim
Na série, Fernanda Zaffari enfoca hoje candidato petista. (Págs. 1, 16 e 17)
------------------------------------------------------------------------------------
 
 
Repasse. Se nos anos de 1940 existisse internet, Hitler não teria assassinado milhões de judeus.
Buya neles!!!
 
 
- Buya




Buya ©.Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta
página em qualquer meio de comunicação.