- Links
» Página Inicial
» Estadão
» Revista Veja
» Revista Época
» Folha de São Paulo
» Revista Isto É
» Revista Carta Capital
» Prefeitura de Pirassununga
-
BALAIO DO BUYA
Jornal Virtual
-
» Contato
 
 
- Balaio do Buya
Dizimista 275

 

 
 
Edição nº 275, de 06 de outubro de 2010
 
 
O mundo mágico da Internet
 Pirassununga – SP
O site que está bombando na rede
 
O Dizimista– Primeiro jornal virtual de Pirassununga
SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS
06 de outubro de 2010
O Globo
 
Manchete: Eleieções 2010: Campanha de Dilma admite ´salto alto´ no primeiro turno
Lula comanda reunião de aliados no Alvorada; Marina desmente PT sobre apoio

Em reunião no Palácio da Alvorada com governadores, senadores e deputados aliados, o presidente Lula e o comando da campanha de Dilma Rousseff admitiram que houve "salto alto" no primeiro turno e que será preciso "humildade" para se aproximar de Marina Silva (PV) e seu eleitorado. "É jogar o salto alto e a blindagem na lata lixo. Agora, é usar sandálias Havaianas", disse o líder do PMDB na Câmara, Henrique Alves (RN). A ordem de Lula é buscar eleitores perdidos por causa da discussão do aborto e da promessa tucana de levar o mínimo a R$ 600. Lula reconheceu que radicalizou em alguns estados e prometeu retomar a estilo "paz e amor". 0 presidente do PT, José Eduardo Dutra, disse que Marina aceitou conversar sobre eventual apoio a Dilma. Marina, porém, negou que vá discutir qualquer apoio sem antes ouvir o PV. (Págs. 1, 3 a 15, Elio Gaspari, Zuenir Ventura e Roberto DaMatta)

PT já puniu quem é contra aborto

Há um ano, o PT puniu o deputado federal Luiz Bassuma, da Bahia, por condenar a legalização do aborto. Bassuma teve de se transferir para o PV, depois que os petistas suspenderam sua atividade parlamentar por 12 meses. Ontem, o parlamentar criticou a petista Dilma Rousseff: "0 PT fechou questão a favor da legalização do aborto, e Dilma sempre defendeu essa tese. Se o Congresso aprovar essa lei, Dilma vai dar o seu aval." (Págs. 1 e 9)

Foto Legenda: Lula cercado por governadores, senadores e deputados eleitos da base aliada, após reunião no Alvorada: apelo para trocar o salto alto na campanha pela sandália

De olho no voto verde, Serra se diz convicto ambientalista. (Págs. 1 e12)

Receita: sigilo de tucano foi quebrado ilegalmente. (Págs. 1 e 11)

Fase ´paz e amor´ de Dilma terá Ciro Gomes coordenador. (Págs. 1 e 4)

Câmara decide manter recesso até novembro. (Págs. 1 e 16)
2 filhos de Erenice
Investigados por tráfico de influência, Israel e Saulo Guerra, filhos da ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra, ficaram calados no depoimento à Polícia Federal. Isso aumenta a chance de Erenice ser chamada a depor. (Págs. 1 e 10)

Foto Legenda: Israel e Saulo Guerra deixam a PF: nada a declarar
Nem IOF dobrado faz cotação do dólar subir
No primeiro dia de vigência do novo Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 4% sobre capital estrangeiro no país, o dólar recuou 1% e fechou em R$ 1,675. 0 ministro da Fazenda, Guido Mantega, minimizou: "Há remédios que não fazem efeito no dia seguinte." (Págs. 1, 25 e editorial "Câmbio depende de um bom ajuste fiscal")

Supremo veta lei de mídia de Cristina Kirchner
A Corte Suprema de Justiça Argentina manteve a suspensão do polêmico artigo da lei aprovada no Congresso, que obriga empresas de rádio e TV a venderem parte de suas concessões. A presidente atacou a Corte pelo Twitter. (Págs. 1 e 32)
Material mais forte que o aço leva o Nobel de Física (Págs. 1 e 32)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo
 
Manchete: Lula cobra ajustes na campanha de Dilma
Candidata culpa aborto, quebra de sigilos e caso Erenice pelo 2° turno

O presidente Lula e governadores eleitos cobraram ajustes na estratégia de Dilma Rousseff (PT) para o segundo turno. Lula ordenou que a candidata se aproxime das pessoas e da imprensa e acabe com o tom formal de viagens e entrevistas.

O PT também deve explorar a privatização no programa eleitoral, que volta ao ar na sexta. A ideia é comparar seu projeto de governo com o do PSDB. 0 partido consultou o TSE sobre a possibilidade de regionalizar parte de seus programas de TV.

Em reunião de emergência com aliados, Dilma fez uma avaliação das razões para não ter vencido no primeiro turno, citando a questão do aborto, o vazamento de dados sigilosos de tucanos e as revelações de lobby praticado na Casa Civil.

Para o presidente estadual do PT, Edinho Silva, houve associação entre o caso Erenice Guerra e os escândalos do mensalão e dos
"aloprados". (Págs. 1 e Eleições 2010)

Elio Gaspari

0 comissariado petista menosprezou Marina e a descoberta do Ereniçário. (Págs. 1 e A8)
Aliados de Serra fazem consulta sobre novo vice
Participantes do comitê eleitoral de José Serra (PSDB) consultaram a assessoria jurídica da campanha sobre a possibilidade de troca do vice, o deputado Índio da Costa (DEM- RJ).

Fernando Gabelra (PV) e o tucano Aécio Neves foram citados para o cargo. Assessores desaconselharam a mudança. Serra nega ter cogitado a substituição e acalmou o DEM. (Págs. 1 e Esp. 5)
Foto legenda: Depois da lama
Voluntário carrega pá em Devecser (Hungria), onde enxurrada com lixo industrial de fábrica de alumínio chegou a quase 2 m de altura; 4 pessoas morreram, e o governo decretou emergência em 3 condados (Págs. 1 e A11)
Com IOF maior, dólar cai a níveis de 2008
O mercado de câmbio demonstrou ceticismo no primeiro dia em que vigorou o aumento de 2% para 4% do Imposto sobre Operações Financeiras de aplicações estrangeiras em renda fixa.

O valor do dólar caiu para R$ 1,675, o menor patamar desde setembro de 2008.

O ministro Guido Mantega disse que o novo IOF deve fazer efeito em alguns dias, descartou novas ações contra o real forte e admitiu a medida como "paliativo".

A decisão foi apontada no exterior como exemplo da "tendência intervencionista no câmbio". (Págs. 1, Bl e B4)

Vinicius Torres Freire

Dado a contexto, medida tira água do Titanic com balde. (Págs. 1 e B4)
Para Ciro, voto em Marina foi contra ´frouxidão moral´
Ciro Gomes (PSB), um dos novos coordenadores da campanha do PT, definiu eleitores de Marina Silva como preocupados com "frouxidões morais aqui e ali". Para ele, "a política de SP" impõe que só PSDB e PT têm vida inteligente. (Págs. 1 e Esp. 1)
Acesso de dado de EJ por petista foi ilegal, diz Receita
A Corregedoria da Receita concluiu que foram ilegais os acessos aos dados do tucano Eduardo Jorge feitos por um petista em Minas.

MP do presidente Lula prevê demissão de servidores envolvidos em quebra de sigilo fiscal. (Págs. 1 e Esp. 3)
Desapropriação do metrô de SP inclui prédio já vendido
A implantação do monotrilho da linha 17 - ouro do metro, que ligara Congonhas ao Morumbi e ao Jabaquara, deve desapropriar ao menos 50 casas de alto padrão, postos e um prédio comercial já todo reservado.

A construtora diz que vai recorrer da decisão. Para arquiteto, o projeto do monotrilho deverá enfrentar longa disputa jurídica. (Págs. 1 e C1)
Foto legenda: Antes da lama
Vista aérea da montagem do festival SWU, que deve levar 150 mil a Itu (SP) a partir de sábado; organizadores tentam amenizar efeitos do mau tempo. (Págs. 1 e E1)
Janela indiscreta
Uma semana após estrear em 51 cidades brasileiras, o Google Street View causa polêmica por expor na internet imagens constrangedoras de anônimos. (Págs. 1 e C8)
Editoriais
Leia "Opinião flexível", sobre Dilma e o voto de eleitores religiosos; e "República do jeitinho", que comenta a ação de despachantes na Polícia Federal. (Págs. 1 e A2)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo
 
Manchete: Aliados criticam agressividade de Lula
Governadores e parlamentares eleitos pediram que presidente evite ironias, faça promessas e cesse os ataques à imprensa

Governadores eleitos e parlamentares aliados do Planalto e da candidata Dilma Rousseff querem, no embate do segundo turno, uma participação menos agressiva do presidente Lula. Em duas reuniões realizadas ontem e domingo, no Palácio da Alvorada, os aliados pediram que o presidente, considerado o maior cabo eleitoral de Dilma, evite ironias, faça mais promessas e, acima de tudo, elimine os ataques à imprensa. Sem citar o presidente, o governador Eduardo Campos (PSB), reeleito em Pernambuco com recorde de votos, reprovou o embate com a mídia: "Nós vivemos além das pancadas que recebemos", ensinou. Segundo relatos colhidos pelo Estado, o governador da Bahia, Jaques Wagner, disse, na presença de Dilma, que as críticas enfurecidas à imprensa "são entendidas como tentativas de coerção". E acrescentou que isso desfoca o próprio PT. (Págs. 1 e Nacional A4)

Usa indevido do Alvorada

O PPS viu crime político nas reuniões promovidas domingo e ontem no Palácio da Alvorada pelo presidente Lula com correligionários. 0 partido pedirá abertura de inquérito. (Págs. 1 e Nacional A4)

Foto legenda: Sorriso dos eleitos. O presidente Lula com governadores e parlamentares aliados, no Palácio da Alvorada. (Pág. 1)

Dora Kramer: Cair de maduro

As duas semanas que Marina Silva e o PV pedem para decidir qual apito tocarão para seus eleitores não cabem nos 25 dias que faltam para a eleição. Qualquer que seja a decisão será necessário apressá-la. Sob pena de os verdes caírem de maduro. (Págs. 1 e Nacional A6)
Sob pressão, Dilma fala em ´valorização da vida´
Objetivo e recuperar votos após a polêmica do aborto

A estratégia da campanha de Dilma Rousseff (PT) para recuperar votos perdidos após a polêmica sobre o aborto prevê um discurso de
"valorização da vida" por parte da candidata. 0 novo tom aparecerá na reestréia do programa de TV. “Eu sou e sempre fui a favor da vida. Se não fosse assim, não tinha colocado a minha vida em risco em determinado momento”, disse. (Págs. 1 e Nacional A8)
Servidor violou sigilo de tucano intencionalmente, diz Receita
Investigação feita pela Receita Federal desmente Gilberto Souza Amarante, lotado em Formiga (MG), e afirma que o servidor, filiado ao PT, fez consulta direcionada no banco de dados fiscais do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge. A violação dos dados aconteceu em 3 de abril de 2009 e foi revelada pelo Estado no último dia 4 de setembro. (Págs. 1 e Nacional A6)

Para Serra, rival finge estar otimista
José Serra (PSDB) insinuou que Dilma Rousseff (PT) demonstra abatimento por não ter vencido no 1º turno: "Tenho experiência e sei quando um político está pessimista e está fingindo ser otimista". (Págs. 1 e Nacional A11)

Petista cresceu em área do Bolsa Família (Págs. 1 e Nacional A10)

No 1º turno, PV deu mais apoio à oposição (Págs. 1 e Nacional Al3)
Eletrônica do futuro leva o Nobel de Física
Ligados à Universidade de Manchester, dois cientistas de origem russa foram laureados pelo desenvolvimento do grafeno, cristal de carbono bidimensional e excelente condutor de eletricidade e calor. (Págs. 1 e Vida A25)

Mesmo com novo IOF, dólar continua a cair
No primeiro dia do IOF de 4% para aplicações de estrangeiros em renda fixa, o dólar caiu para R$ 1,67, menor cotação desde setembro de 2008. Para analistas, novo IOF é insuficiente para desestimular a entrada de dólares. (Págs. 1 e Economia B1)
França prende 12 em ação contra o terror (Págs. 1 e Internacional A21)
 
Gilles Lapouge: A guerra das moedas
Privar o dó1ar do seu papel mundial pode ser uma ideia excitante, mas isso vai fazer o euro disparar e prejudicar exportadores. É esse o desejo? (Págs. 1 e Economia B6)
Roberto Damatta: Previsões e profecias
Barbas de molho, companheiros e oportunistas. A tal vitória de Dilma, no primeiro turno, não deu certo. Basta ler a profecia para contrariá-la. (Págs. 1, Caderno 2 e D12)
Notas & Informações
O Congresso de 2011

Se Dilma se eleger, terá maioria no Congresso. Se o eleito for Serra, terá de comer pelas bordas. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Brasil
 
Manchete: Rede de esgotos fica em segundo plano no projeto da Rio 2016
Bacia de Jacarepaguá e Baía esperam verba

Um ano depois da vitória da campanha Rio 2016, projetos de infraestrutura para a cidade, como a instalação de um sistema integrado de transportes, que recebeu R$ 2,6 bilhões, estão caminhando – mas a despoluição da Bacia de Jacarepaguá e da Baía de Guanabara ficou para trás, por falta de verba, segundo informa a Secretaria Estadual do Ambiente, que aguarda verbas do BID. Em seminário que projetou ações para a Copa e a Olimpíada, a construção
do trem-bala foi criticada. (Págs. 1, Rio, 7 e Economia, 12 e 13)
Campeão de votos
Wagner Montes

“Não vivo de política, ganho bem é na TV”(Págs. 1 e País, 2 e 3)
Fome no Brasil pode acabar em 20 anos, segundo Ipea (Págs. 1 e Economia, 13)
 
Surge um novo remédio contra a esquizofrenia (Págs. 1 e Vida, 16)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense
 
Manchete: Lula comanda tropa de choque para Dilma
O presidente Lula assumiu pessoalmente a tarefa de conduzir Dilma Rousseff à vitória no segundo turno das eleições. Reunido com governadores e senadores eleitos no Palácio da Alvorada, ele definiu as ações em favor da candidata: aproximação com aliados menosprezados na campanha do primeiro turno, plano de governo com a essência das propostas de Marina Silva, mais alegria na campanha de Dilma e um presidente da República moderado com a imprensa e a oposição. Os tucanos também estão empenhados em aparar as arestas e aglutinar forças contra a máquina petista. A cúpula do PSDB marcou para hoje, em Brasília, a retomada da campanha de Serra, a partir de um encontro entre os governadores eleitos no primeiro turno — Antônio Anastasia (MG), Geraldo Alckmin (SP) e Beto Richa (PR) — e outros expoentes tucanos. Ontem o candidato dedicou boa parte da agenda à tentativa de apaziguar os ânimos dos caciques do DEM. (Págs. 1 e 2 a 4)
Agnelo e Weslian preparam as armas do segundo turno
A 25 dias do segundo turno, os candidatos ao Governo do Distrito Federal traçam o plano para conquistar eleitores. Agnelo Queiroz negocia uma participação de Lula na campanha, mobiliza aliados como Reguffe e busca atrair o eleitorado de Toninho do PSol e de Eduardo Brandão. Weslian Roriz vai investir nas cidades onde o marido ex-governador é bem avaliado, como Riacho Fundo, Taquari, Varjão, Itapoã e Paranoá. (Págs. 1, 23, 24 e 26)

Não sei se vou ou se fico

Assessores de Weslian Roriz avaliam a necessidade de um confronto com Agnelo Queiroz na TV. Há dúvidas se é preciso ampliar ou preservar a imagem da candidata. (Págs. 1 e 25)

Um feriadão no caminho

Especialistas e coordenadores de campanha temem grande número de abstenções com a sequência de folgas ocasionada pelos dias do Servidor e de Finados. (Págs. 1 e 28)
Física: Russo vai da chacota ao Nobel
Andre Geim, ridicularizado publicamente em 2000 por uma de suas pesquisas, ganhou com o compatriota Kostantin Novoselov R$ 2,5 milhões pela descoberta do grafeno. “É apenas mais um prêmio”, disse Geim ao Correio. (Págs. 1 e Ciência, 22)
Tombamento: Setor de Embaixadas é intocável
O Ministério Público recomendou à Terracap que não mude a destinação dos 52 terrenos vazios naquela área. A proposta era destinar os lotes para a construção de hotéis e empreendimentos voltados ao turismo, com vista à Copa do Mundo. (Págs. 1 e 31)
Foto legenda: Tensão no ar
Após sofrer uma pane, um avião da Webjet que decolou de Brasília voltou ao aeroporto. Antes, ficou por uma hora sobrevoando a cidade. Uma mulher passou mal. (Págs. 1 e 32)
Faculdade da Terra: Diplomas estão sob suspeita
A instituição é investigada após denúncia de que teria emitido 600 certificados falsos de ensino superior. Os representantes da FTB dizem ter sido alvo de vingança de ex-funcionários demitidos. (Págs. 1 e 30)
------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico
 
Manchete: Dólar cai e novas medidas virão
Um banqueiro que conversou com alguns dos gestores dos maiores fundos de hedge do mundo, na semana passada, voltou do exterior preocupado com a montanha de recursos em moeda estrangeira que o Brasil pode receber nos próximos três a quatro anos. De um deles, ouviu um prognóstico de como pretende alocar seu portfólio: "Serei conservador e aplicarei uns 90% nos mercados emergentes. Desses, talvez metade no Brasil".

Em meio a essa realidade, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, tenta agir para estancar a apreciação do real e impedir que o país perca competitividade em relação a seus principais parceiros comerciais. 0 governo tem algumas armas de curto prazo, mas elas são insuficientes para resolver o problema na dimensão em que ele se apresenta. Poderão, no máximo, minimizar seus efeitos. (Págs. 1, C1, C2, C6, C7 e C10)
Foto legenda: "Espigões" na Amazônia
Pilares da barragem de Jirau, em Rondônia, têm quase 50 metros de altura: obras das duas megausinas do rio Madeira caminham em ritmo frenético, com 33 mil operários. Até uma fábrica de gelo foi instalada para aumentar a resistência do concreto dos "espigões". (Págs. 1 e B8)
Balança deve piorar no próximo ano
O Brasil corre o risco de ter déficit na balança comercial no próximo ano, o que interromperia uma sequência de saldos positivos iniciada em 2001. Na melhor das hipóteses, o superávit comercial deve continuar a encolher, num cenário em que as importações tendem crescer a um ritmo muito superior ao das exportações.

Neste ano, o país registrou superávit de US$ 12,7 bilhões até setembro, uma queda de 40% em relação ao mesmo período de 2009. As previsões atuais de economistas de bancos e consultorias para o próximo ano são bastante díspares. Há quem projete superávit de US$ 13,9 bilhões, próximo aos US$ 16 bilhões esperados para este ano, e quem acredite em déficit de US$ 3 bilhões. (Págs. 1 e A3)
Beneficiados por Lula, ruralistas rejeitam Dilma
Nem mesmo a melhora relativa da infraestrutura e da logística nos Estados que são grandes produtores agrícolas, a renegociação de suas dívidas ou a agressiva política de subsídios do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram suficientes para diminuir a rejeição rural a sua candidata, a ex-ministra Dilma Rousseff.

Somados, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Paraná e Santa Catarina, onde Dilma perdeu no primeiro turno, mais Goiás e Rio Grande do Sul, onde ela ganhou por uma margem inferior a média nacional e o interior de São Paulo, 62,6% dos celeiros agrícolas do país votaram contra a candidata petista. “Ainda não entendi como esse conservadorismo cega o produtor", critica o senador eleito Blairo Maggi (PR-MT), uma das principais lideranças do setor. Segundo ele, os benefícios concedidos aos produtores não sensibilizaram diretamente os moradores das pequenas cidades nesses Estados. (Págs. 1 e A11)
Os redutos de Marina no voto popular
O que levou Marina Silva a ter grande votação em Sabará (MG), Piquete e Lorena, no Vale do Paraíba (SP), Recife e Volta Redonda, a sede da CSN, no Rio de Janeiro? Luis Fernando Pezao (PMDB), vice-governador do Estado, não tem dúvida: houve grande influência das igrejas católica e evangélica. "Minha mulher foi à missa (em Piraí) e contou que a orientação era para não votar na Dilma". (Págs. 1 e A16)
Venda conjunta de lingerie e apartamento
A criatividade para impulsionar a venda de imóveis chegou ao porta a porta. A Rossi Residencial fechou parceria com a DeMilJus, empresa líder na venda de lingeries, para que as revendedoras da marca apresentem a suas clientes um catálogo com ofertas de apartamentos.
"Estamos invertendo a dinâmica e batendo na porta do c1iente", diz Rodrigo Martins, diretor da Rossi. (Págs. 1 e B1)
Exportadores ressabiados
Nova ofensiva de expropriações do presidente Hugo Chávez preocupa fabricantes de máquinas e implementos agrícolas do Brasil, que têm na Venezuela seu principal mercado na América Latina. (Págs. 1 e Al3)
Batalha da banda larga
Empresas brasileiras de equipamentos para telecomunicações reagem a investida das multinacionais do setor contra decisão da Telebrás de privilegiar fornecedores nacionais no Plano Nacional de Banda Larga. (Págs. 1 e B3)
Manutenção espremida
Falta de espaço nos principais aeroportos do país obriga empresas de manutenção de jatos executivos e aviões de pequeno porte a adiar investimentos em expansão, apesar do crescimento da demanda. (Págs. 1 e B6)
Itamarati planeja expansão
A Usina Itamarati, da filha de Olacyr de Moraes, aguarda definição sobre zoneamento da cana na Amazônia para deslanchar investimento previsto em cerca de R$ 650 milhões no aumento da produção. (Págs. 1 e B14)
Ações premiadas
Aquecimento do mercado de ações e crescimento do número de investidores pessoa física aumenta disputa entre corretoras para ganhar espaço no ´home broker’. As promoções inc1uem até viagens para Nova York. (Págs. 1 e D1)
GM busca demanda para suas ações
Banqueiros de investimento ligados a oferta de ações da General Motors tentam atrair fundos soberanos e investidores privadas do Oriente Médio e da Ásia. (Págs. 1 e D9)
Chilena na bolsa brasileira
A Sonda, maior empresa de TI do Chile, planeja emissão de ações na BM&FBovespa. Seria a primeira companhia do país a listar seus papeis na bolsa brasileira. (Págs. 1 e D9)
Perfil ´workaholic´
O jovem executivo brasileiro de finanças e do sexo masculino, até 35 anos, tem pós-graduação ou MBA, ganha de R$ 100 mil a R$ 500 mil por ano e dá prioridade à carreira em detrimento da qualidade de vida. (Págs. 1 e D10)
Ideias
Marco Antonio Raupp

Brasil têm exemplos de grande sucesso na integração da base científica e tecno1ógica com os setores econômicos. (Págs. 1 e A16)
Ideias
Martin Wolf

Países do G-20 precisam se unir e ir além da retórica para forçar mudanças na política cambial da chinesa. (Págs. 1 e A17)
------------------------------------------------------------------------------------
Estado de Minas
 
Manchete: Presidente vai baixar o tom e voltar a ser ‘Lulinha paz e amor’
Em vez do todo-poderoso que ameaçava exterminar a oposição e cantava a vitória de Dilma já em 3 de outubro, um Lula mais humilde. A estratégia para tentar garantir a eleição da petista no 2º turno foi traçada ontem em Brasília. Além de assumir propostas de Marina, plano inclui o resgate de aliados desprezados no 1º turno e um presidente mais afável com a oposição e a imprensa. O papel de franco-atirador contra Serra será do deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE).

Briga mineira

No estado, 2º turno terá Alencar coordenando a campanha de Dilma. Aécio vai comandar a de Serra.

Estuda, palhaço

Tiririca tem 10 dias para provar que sabe escrever, senão pode perder o mandato. Dá para aprender, diz professor

Mulher sem vez

Aumenta o número de candidatas nas eleições, mas cai o de deputadas federais e estaduais eleitas. (Págs. 1, 3 a 10 e Coluna Em dia com a política, 2)
Novo Madoff: Empresa não tem como cobrir calote de R$ 70 milhões
Imobiliária que operava sem autorização no mercado de ações não dispõe de patrimônio para ressarcir o prejuízo causado a 1.094 investidores de Divinópolis e região. Levantamento das próprias vítimas aponta que os bens da empresa estão avaliados em R$ 5 milhões, muitos já em nome de terceiros. (Págs. 1 e 17)
Prestação da casa própria com o FGTS
Pouca gente sabe que pode abater mensalmente parcelas do imóvel com os depósitos do fundo. (Págs. 1 e 15)
Morte de Eliza: Bruno demite e recontrata advogado
Ércio Quaresma é dispensado e readmitido no mesmo dia pelo ex-goleiro do Flamengo. Recuo do atleta teria ocorrido depois que advogado cobrou posicionamento sobre os honorários, que ainda não teriam sido pagos. (Págs. 1 e 26)
Saúde: Falta de vacina agrava surto de catapora
Pediatras estão assustados com avanço da doença no estado, que já registra 19.827 casos, com 14 mortes, este ano. Maria Antônia, de 2 anos, com catapora e infecção renal, teve de ser internada porque tem imunidade baixa. (Págs. 1 e 24)
Física: Cientistas russos ficam com o Nobel
Andre Geim e Konstantin Novoselov descobriram o grafeno, material usado em telas sensíveis ao toque, como a do iPad. (Págs. 1 e 22)
Medo: França detém 12 suspeitos de terrorismo
Presos integrariam grupo islâmico radical. Nos EUA, terrorista que tentou explodir carro-bomba pegou prisão perpétua. (Págs. 1 e 21)
------------------------------------------------------------------------------------
ISTOÉ
 
Manchete: As armas para o segundo turno
32,7% X 46,8%

Como Dilma e Serra se preparam para a nova rodada de disputa dos votos que vai determinar quem será o próximo presidente da República

O impacto do resultado nos QGs dos partidos
Os fatos que definiram a votação na reta final
Os grandes vitoriosos nos Estados. (Pág. 1)

Fator Marina: Quem vai levar os votos da maior surpresa das eleições? (Págs. 1 e 50)
------------------------------------------------------------------------------------
ISTOÉ Dinheiro
 
Manchete: A economia vai decidir essa eleição?
A resposta é sim. De hoje a 31 de outubro, os dois candidatos, Dilma Rousseff e José Serra, irão percorrer caminhos distintos para seduzir o eleitor. Quem será mais convincente? Eis os triunfos de cada um:

Dilma Rousseff
Geração de 14 milhões de empregos com carteira assinada
Expansão do PIB na casa dos 7%
Inclusão de 30 milhões de brasileiros no mercado de consumo

José Serra
Promessa de aumento de 10% para os aposentados
Modernização da infraestrutura de São Paulo
Experiência na gestão da máquina pública. (Págs. 1 e 36)
------------------------------------------------------------------------------------
CartaCapital
 
Manchete: As mulheres do 2º turno
Os escândalos familiares de Erenice Guerra e a "onda" Marina Silva tiraram votos de Dilma Rousseff. (Págs. 1 e 28)
------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora
 
Manchete: Lula dá a largada à campanha de Dilma e tucanos apelam a FH
Presidente reúne em Brasília aliados eleitos e os convoca a serem cabos eleitorais, enquanto cúpula do PSDB defende maior participação de Fernando Henrique. (Págs. 1, 8, 16 e Rosane de Oliveira, 12)
Assédio a sigla: Pompeo propõe PDT fora do governo Tarso
“Não pretendo aceitar cargo”, diz o vice de Fogaça. (Págs. 1 e 20)
Avanço virtual: Inovadores do chip levam Nobel
Grafeno permitirá processadores mais rápidos. (Págs. 1 e 35)
------------------------------------------------------------------------------------
 
Repasse. Se nos anos de 1940 existisse internet, Hitler não teria assassinado milhões de judeus.
Buya neles!!!
 
 
- Buya




Buya ©.Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta
página em qualquer meio de comunicação.