- Links
» Página Inicial
» Estadão
» Revista Veja
» Revista Época
» Folha de São Paulo
» Revista Isto É
» Revista Carta Capital
» Prefeitura de Pirassununga
-
BALAIO DO BUYA
Jornal Virtual
-
» Contato
 
 
- Balaio do Buya
Dizimista 299

 

 
 
Edição nº 299, de 02  de novembro  de 2010
 
O mundo mágico da Internet
Pirassununga - SP
O site que está bombando na rede
O Dizimista– Primeiro jornal virtual de Pirassununga
A palavra que você não ouve, a notícia que você não lê, a realidade que você não enxerga.
 
 
SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS
 
02 de novembro de 2010
O Globo
 
Manchete: Eleições 2010; Lula não quer Palocci na área econômica, nem no Palácio
Dilma defende câmbio flutuante e promete medidas contra guerra cambial

Na composição do Ministério da futura presidente Dilma Rousseff, já há certezas sobre nomes que estarão no governo: Antonio Palocci, Guido Mantega, Paulo Bernardo e Sergio Gabrielli. Mas Palocci não deverá ter cargo no Planalto nem na equipe econômica. Lula prefere que ele fique com o Ministério da Saúde, para não fazer sombra a nova presidente. Dilma concorda. Gabrielli, pelo menos na primeira fase do governo, deve continuar na Petrobras, para concluir a criação da estatal do pré-sal. Palocci deverá ser o chefe da equipe de transição de Dilma, como coordenador técnico. O presidente do PT, José Eduardo Dutra, deverá cuidar da coordenação política. Em entrevista ao "Jornal Nacional", Dilma defendeu o câmbio flutuante, mas afirmou que, diante da guerra cambial em vigor no mundo, o Brasil estabelecerá relações multilaterais para impedir práticas nocivas aos produtos nacionais. Ela reafirmou que seus auxiliares serão escolhidos por critérios técnicos e políticos.

No mercado financeiro, a Bolsa subiu 1,26%. O dólar teve alta de 0,29%, fechando a R$ 1,708. Os analistas gostaram do fato de Dilma ter incluído o controle de gastos no discurso após ter sido eleita. (Págs. 1, 3 a 11 e 27)

Foto legenda: Lula beija Dilma na comemoração da vitória: os dois concordam que palocci fique longe da Casa Civil, para não fazer sombra à nova presidente; ele é cotado para a Saúde (Pág. 1)
PSDB: mineiros e paulistas lavam roupa suja eleitoral
Derrotado, o PSDB está lavando a roupa suja e expondo publicamente a disputa entre dois grupos rumo a 2014: 0 mineiro, de Aécio Neves, e o paulista, de Geraldo Alckmin. Ligado a Serra, Xico Graziano reclamou da derrota em MG por 1,7 milhão de votos. Para os mineiros, Aécio não podia fazer mágica. (Págs. 1 e 17)

O novo mapa do poder

Vice de Marina doou à campanha R$ 11,8 milhões (Págs. 1 e 18)

Apos a eleição, Palácio do Planalto critica a CNBB (Págs. 1 e 14)
Eleições decidem hoje futuro de Obama
Pesquisas dão como certa uma dura derrota democrata na Câmara e uma provável escassa vantagem do governo no Senado dos EUA. Este novo cenário restringiria o campo de ação do governo e permitiria aos republicanos controlar a agenda do país, forçando o presidente Obama a buscar nova estratégia para governar. (Págs. 1 e 32 a 34)
Índico ganha maior reserva dos mares
O Reino Unido transformou o Arquipélago de Chagos, no Índico, na maior reserva marinha do mundo. A pesca foi banida, Ambientalistas, porém, lembram que a proteção dos mares ainda é precária. (Págs. 1 e 36)
Enem: a quatro dias da maratona
Estudantes falam do desafio de encarar o fim de semana de provas, e professores advertem: é hora de relaxar. (Págs. 1 e Revista Magazine)
Emprego: Seis concursos, 1.643 chances
Vagas são para Minas Gerais e inscrições estão abertas. Salários chegam a R$ 8,9 mil na Prefeitura de Grão Mogol, na Região Norte. (Págs. 1 e 19)
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo
 
Manchete: Palocci e Dutra assumem a transição, decide Dilma
Presidente 40 - A transição

Ex-ministro será coordenador técnico, enquanto o presidente do PT cuidará de temas políticos

A presidente eleita Dilma Rousseff decidiu dividir o comando da transição de governo. O ex-ministro Antonio Palocci será o coordenador técnico, cuidando dos programas e de outras iniciativas do Executivo.

O presidente do PT, José Eduardo Dutra, atuará como coordenador político, fazendo a negociação com todos os partidos aliados.

Dutra marcou reunião para esta noite com o vice-presidente eleito Michel Temer (PMDB-SP). Setores peemedebistas ficaram enciumados por não terem sido convidados a participar da primeira reunião sobre a transição, realizada ontem pela manhã. No encontro de trabalho só havia petistas.

Palocci e Dutra terão o apoio direto do deputado Jose Eduardo Cardozo e do ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel.

Dilma sairá de cena hoje para descansar até domingo. Em seguida, viaja com o presidente Lula para Seul, para a reunião do G20.

Na viagem, deve tratar do ministério com o seu padrinho político. (Págs. 1 e Eleições, 4)

João Pereira Coutinho: Em política, não é dos carecas que as urnas gostam mais (Págs. 1 e Ilustrada, E8)

Foto legenda: Cabecinha no ombro. Abraçada a Lula, Dilma Rousseff chora na noite da vitória; eleita disse ´você inventou tudo isso, a ideia foi sua´ ao presidente, que lhe perguntou se a ´ficha´ já havia caído, relata Mônica Bergamo. (Págs. 1 e Eleições, 5)
FHC critica PSDB por omitir história
O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) criticou a atuação de seu partido, o PSDB, na campanha para a eleição presidencial.

"Não estou mais disposto a dar endosso a um PSDB que não defenda a sua história", afirmou durante entrevista a Maria Cristina Frias e Vinicius Mota.

FHC evitou dizer se a derrota de Jose Serra faz de Aécio Neves candidato da vez, mas acha que, seja quem for, deve ser anunciado dois anos antes das eleições.

Para ele, o país está se movimentando em direção a um corporativismo estatizante: "Uma mistura de Getúlio [Vargas], [Ernesto] Geisel e Lula". (Págs. 1 e Eleições, 7)
Lula adotará medidas duras para poupar eleita
O presidente Lula se dispôs a adotar medidas econômicas duras e impopulares, para evitar que o ônus recaia sobre o início do governo de Dilma Rousseff, informa Kennedy Alencar.

Os dois negam, mas já discutiram a necessidade de ajuste fiscal e monetário.

As propostas incluem reajustes mais comedidos para o funcionalismo.
Lula também está disposto a negociar com o Congresso um Orçamento mais draconiano para 2011.

Estuda-se reduzir a meta de inflação de 4,5% para 4% em 2012. (Págs. 1 e Eleições, 1)
Petrobras adia licitação para a compra de navios para o pré-sal (Págs. 1 e B8)
 
Jobim e Haddad devem continuar em suas pastas, sugere presidente (Págs. 1 e Eleições, 2)
 
Editoriais
Leia "Boa impressão", que comenta o discurso de vitória de Dilma; e
"O Protocolo de Nagoya", acerca do tratado de biodiversidade recém-alcançado. (Págs. 1 e A2)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo
 
Manchete: Dilma faz reunião de transição só com petistas e irrita PMDB
´Eles não vão governar sozinhos´, avisa peemedebista; processo será conduzido por Dutra e Palocci

A primeira reunião da presidente eleita Dilma Rousseff (PT) com auxiliares para definir a equipe de transição, realizada, ontem em Brasília, teve presença só de petistas, sem ninguém do PMDB, principal aliado na campanha. Ficou acertado que o presidente do PT, Jose Eduardo Dutra, e o ex-ministro Antonio Palocci comandarão o grupo que fará a passagem do governo Lula para o de Dilma.

Peemedebistas demonstraram insatisfação com o episódio. "Eles não vão governar sozinhos", avisou o deputado Eduardo Cunha (PMDB-SP). O governador eleito do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, disse ao Estado que o PT quer negociar com um PMDB unido. Para ele, a legenda "terá mais importância quanto mais se unificar como partido de centro”. (Págs. 1 e Eleições, H1 H3)

´Ate logo´ de Serra desagrada a tucanos

A declaração do candidato presidencial José Serra ao admitir a derrota - ele não deu um “adeus", mas um "até logo" - causou desconforto entre tucanos paulistas. Para eles, que esperam renovar o partido, Serra foi personalista. Já o PSDB mineiro, do senador eleito Aécio Neves, acredita que a hegemonia paulista no partido tenha chegado ao fim. (Págs. 1 e Eleições, H11 e H12)

Novo governo quer obter superávit sem truque fiscal

O governo estuda várias medidas para colocar a economia na direção de uma taxa de juro real de 2% até 2014. A ideia é fortalecer a política fiscal, cumprindo a meta de superávit primário das contas do setor público, de 3,3% do PIB, sem a necessidade de manobras fiscais. Há estudos para reduzir projetos do PAC, limitar o crescimento das despesas e cortar o Orçamento de 2011. A1ém disso, o governo anunciará em breve medidas para estimular o financiamento privado de longo prazo. (Págs. 1 e Economia B1, B3 e B4)

Mantega pode ficar; Meirelles ainda é dúvida

Alvo da cobiça do PMDB, a Fazenda pode continuar com Guido Mantega. Ele quer ficar e o presidente Lula defende sua permanência, dizendo que a economia é uma área delicada e que está com bom desempenho. Já o destino do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, ainda é incerto. (Págs. 1 e Eleições, H4)

Dora Kramer: Por que não?

Se levar ao pé da letra o que diz, Dilma pode se sair bem melhor do que a encomenda. (Págs. 1 e Eleições, H5)

Foto legenda: Carinho. No Palácio da Alvorada, o presidente Lula comemora com Dilma Rousseff, a quem chamou de ´presidenta´, a vitória da petista na eleição (Pág. 1)
Eleição legislativa nos EUA abre corrida presidencial
Favoritos na votação de hoje, republicanos estão divididos

O resultado da eleição legislativa nos EUA, hoje, abrirá a disputa pela Casa Branca em 2012, relata a correspondente Denise Chrispim Marin. O presidente Barack Obama já se lançou à reeleição. Provável vitorioso no pleito para o Congresso e para 38 governos estaduais, o opositor Partido Republicano se vê em vantagem, mas aparece dividido. (Págs. 1 e Internacional A8 e A9)
Polícia grega intercepta bombas
Pelo correio, de Atenas, terroristas pretendiam enviar pacotes-bomba para o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e para embaixadas do México e da Holanda. Os autores seriam grupos anarquistas. (Págs. 1 e Internacional A10)
Cresce uso de apostilas no ensino infantil
Pesquisa da Unicamp mostra que, de 2008 para 2009, o número de cidades paulistas que usam, no ensino infantil, apostilas de sistemas de ensino privados subiu de 24 para 32. Há dez anos, eram quatro. (Págs. 1 e Vida A16)
EUA já exportam mais etanol que o Brasil (Págs. 1 e Economia B12)
 
Ilan Goldfajn: Renovar o compromisso
Um novo mandato presidencial se inicia. É o momento de saber se a tendência de deterioração das contas fiscais foi temporária ou é tendência. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)
Notas & Informações
A eleição de Dilma Rousseff

A eleita devotada a um líder que dividiu os brasileiros em "nós e eles” defendeu a “união”. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Brasil
 
Manchete: Os seis problemas para Dilma
Especialistas apontam os gargalos da nação

Os desafios para a presidenta eleita Dilma Rousseff em saúde, educação, segurança, meio ambiente, infraestrutura, economia e transporte são apontados por especialistas. A candidata derrotada Marina Silva apresentou suas contas de campanha. O vice doou metade dos R$ 20 milhões. (Págs. 1 e País, 2 a 7 e 10)

Informe JB

Antonio Palocci deve assumir o Ministério da Casa Civil ou o do Planejamento no governo Dilma. (Págs. 1 e País, 8)

Foto legenda: Ainda em festa. Dilma ganhou beijos de Lula, mas os desafios a esperam (Pág. 1)
Brizola na cabeça
Um busto do ex-governador Leonel Brizola foi inaugurado na estação do metrô Cidade Nova (Págs. 1 e País, 9)
Acabou a lua de mel entre Obama e os jovens (Págs. 1 e Internacional, 25 a 27)
 
Penhor de bens até R$ 1.500 cresce 40% na Caixa (Págs. 1 e Economia, 23 e 24)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense
 
Manchete: Acabou o coronelismo, diz Agnelo
Governador eleito afirma que a maioria dos brasilienses decretou o fim de práticas políticas atrasadas, incompatíveis com a capital da República. Segundo ele, os eleitores exigem uma administração ética e transparente. Agnelo Queiroz diz ser o único nome definido no governo, como secretário de saúde. (Págs. 1 e 25 a 29)
De Lula para Dilma
Paulo Bernardo e Antônio Palocci vão coordenar a transição; José Eduardo Dutra negocia com partidos

A passagem do bastão presidencial será uma ação entre antigos e atuais colaboradores do chefe do Planalto. Mais do que analisar a situação do governo, a equipe de Dilma vai definir a nova configuração dos aliados petistas — o preferencial PMDB e o emergente PSB. Na internet, vitória da petista provoca xingamentos a nordestinos. (Págs. 1, 2 a 4 e Visão do Correio, 18)

Barreira econômica

Controle fiscal e câmbio flutuante são desafios da presidente eleita, que terá de resolver briga fratricida para montar equipe. (Págs. 1 e 12 a 14)
Aviação: Empresas cancelam 1.830 voos num só dia
Quase 23% das decolagens previstas para todo o país nesta segunda-feira não foram realizadas. Mas, segundo as empresas, a maioria delas foi informada com antecedência aos passageiros e ninguém ficou prejudicado. Mesmo assim, os consumidores devem ficar atentos. Segundo a Anac, qualquer mudança de horário ou data das viagens deve ser informada com um mínimo de 15 dias aos usuários. (Págs. 1 e 16)
Eleição nos EUA: Derrota nas urnas ameaça os líderes de Obama
A provável vitória do Partido Republicano nas eleições de hoje para a renovação do Congresso norte-americano pode tirar de cena importantes políticos democratas e trazer mais problemas ao governo de Barack Obama. A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, com prestígio abalado, deve perder o cargo. Já Harry Reid, líder no Senado, corre o risco de não ser reeleito. (Págs. 1 e 20)
------------------------------------------------------------------------------------
Estado de Minas
 
Manchete: Palocci e Pimentel na transição de governo
O ex-ministro Antonio Palocci e o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel compõem a equipe de transição do governo Lula para o da presidente eleita Dilma Rousseff. Ao lado do ministro Paulo Bernardo, Palocci fará radiografia dos cargos da administração pública. Coordenará também o grupo que dividirá tarefas com o presidente do PT, José Eduardo Dutra, responsável pela negociação dos cargos com os 10 partidos coligados. Pimentel, com o deputado José Eduardo Cardozo, fará a ponte com a militância e os movimentos sociais. A indicação dos nomes será feita por decreto do presidente Lula. (Págs. 1, 3 e 4)

Foto legenda: Depois de comemorar a vitória com Lula no Palácio da Alvorada, Dilma se prepara para viajar ao exterior com ele já no fim de semana. (Pág. 1)
‘Dilminha está preparada para ser presidente’
Dilma Jane Silva, de 86 anos, mãe da presidente eleita, está confiante: “A Dilminha fez tudo por um ideal de vida e acha que pode melhorar o país”. Moradora de BH, a matriarca diz que a maior qualidade da filha é a lealdade. “O perigo é o inimigo. Muita gente se faz de amiga, mas é traiçoeira”, alerta. (Págs. 1 e 9)
PSDB e PT já se articulam
Líderes do PSDB em Minas se mobilizam para projetar nacionalmente o nome do senador eleito Aécio Neves. Para eles, atuação do partido não pode ficar centralizada em São Paulo. Caciques do PT buscam cargos no governo Dilma Rousseff. (Págs. 1, 11 e 13)
Patrus cotado para vaga no Supremo (Págs. 1, 11 e 13)
 
Foto legenda: Isto é rodovia?
Pelo menos 80% das rodovias federais que cortam Minas estão em péssimo estado. A conclusão é de um estudo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), que constata problemas frequentes para motoristas e passageiros. A BR-135, entre Itacarambi e Montalvânia, no Norte de Minas, parece uma estrada rural para carroças. (Págs. 1, 25 e 26)
------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Commercio
 
Manchete: Dilma promete manter a política econômica
Presidente eleita disse em entrevistas a telejornais que vai zelar pela estabilidade e não mudará modelo de câmbio flutuante. Mas para cumprir metas ela pode ter que adotar medidas impopulares, como cortes nos gastos públicos. (Pág. 1)
Bancos agora têm linha direta com a polícia (Pág. 1)
 
Interceptado na Grécia pacote bomba que iria para Sarkozy (Pág. 1)
 
Eleição nos EUA (Pág. 1)
 
------------------------------------------------------------------------------------
Veja
 
Manchete: "Meu compromisso com o país: valorizar a democracia em toda a sua dimensão"
Dilma Rousseff, depois de eleita a primeira mulher presidente do Brasil (Pág. 1)
------------------------------------------------------------------------------------
Época
 
Manchete: Presidenta Dilma
"Sim, a mulher pode"
Dilma Rousseff, primeira mulher eleita para presidir o Brasil (Pág. 1)

Agora é com ela

Como é, de onde vem e o que pensa a presidente Dilma Vana Rousseff. (Págs. 1 e 18)

Os desafios do Brasil

O ABC das questões que o governo Dilma terá de enfrentar. (Págs. 1 e 36)
------------------------------------------------------------------------------------
ISTOÉ
 
Manchete: A mulher no poder - Dilma Rousseff
Os bastidores do dia da vitória
Os planos para o Brasil
O que representa sua ascensão ao poder
A história de sua vida (Pág. 1)
------------------------------------------------------------------------------------
CartaCapital
 
Manchete: Mulher e presidente
Dilma Rousseff é eleita com 56% dos votos

Entrevista: Eduardo Campos, governador de Pernambuco

Reportagens: Cynara Menezes, Leandro Fortes e Rodrigo Martins

Artigos: Lúcia Avelar, Janes Jorge, Marcos Coimbra, Mauricio Dias e Mino Carta (Pág. 1)

A primeira presidente

Após enfrentar a mais dura e baixa campanha desde 1989, a ex-ministra Dilma Rousseff obtém 56% dos votos e consagra as conquistas do governo Lula. (Págs. 1 e 22)
------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora
 
Manchete: Dilma lançará pacto por saúde e segurança
Em suas primeiras entrevistas como eleita, a futura presidente anunciou que chamará governadores para enfrentar precariedade no atendimento à população.

Por que Dilma perdeu no Estado

Diferenças de estilo entre Lula e a sucessora

O desejo dos empresários gaúchos
(Págs. 1, 4 a 15, Rosane de Oliveira, 10 e Informe Econômico, 20)

Foto legenda: Entre amigos e coordenadores da campanha, Dilma recebeu o carinho de Lula na festa do Palácio da Alvorada, na noite de domingo (Pág. 1)


------------------------------------------------------------------------------------
 
Fraude em Dourados é maior, diz prefeita
Irregularidades aumentam a cada auditoria; em setembro, PF prendeu o antigo prefeito
RODRIGO VARGAS
DE CUIABÁ

Empossada há 24 dias, a nova prefeita de Dourados (250 km de Campo Grande), Délia Godoy Razuk (PMDB), 54, afirma que a lista de irregularidades encontradas na administração aumenta a cada nova auditoria realizada.
Por isso, diz ela, administrar a cidade nestas condições é conviver com uma rotina de "surpresas e situações inusitadas".
Dourados ficou sem comando após a Polícia Federal prender, em setembro, todo o comando da cidade -o prefeito Ari Artuzi (sem partido), seu vice e toda a Mesa Diretora da Câmara Municipal.
Investigação da PF aponta um suposto esquema que desviava recursos de contratos firmados pela prefeitura.
"Estamos fazendo uma radiografia geral na cidade, e, todos os dias, recebo levantamentos mostrando irregularidades", disse Délia, em entrevista por e-mail.
Délia foi a única, dentre os 12 vereadores da Casa, a não ser denunciada pelo Ministério Público por suspeita de envolvimento no suposto esquema que, segundo a PF, fraudava licitações e desviava verbas públicas.
Entre as "situações inusitadas", Délia cita uma injustificada compra de mais de cem liquidificadores pela Secretaria de Saúde. Os aparelhos, que estão há quase dois anos sem uso no almoxarifado do órgão, foram adquiridos com recursos do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica.
Outro levantamento apontou que Artuzi usava a prefeitura como sede de reuniões nas quais fazia campanha política para aliados.
Segundo ela, os encontros eram realizados todas as manhãs e reuniam de 20 a 40 pessoas sob a justificativa de "apresentação de balanço administrativo". "Na verdade, era para pedir votos aos candidatos do ex-prefeito."
Artuzi está preso desde o dia 1º de setembro sob suspeita de chefiar o suposto esquema de fraudes.
Antes de Délia assumir, Dourados ficou 34 dias sob comando interino do juiz Eduardo Machado Rocha, diretor do fórum da cidade.
Ao sair, Rocha admitiu que poderia concorrer ao cargo, "se a politicagem voltar à prefeitura". Questionada, Délia disse não ver pressão alguma na declaração.
"A análise do juiz se deu num momento em que era exatamente essa a situação, a politicagem havia tomado conta e extrapolado nas ações administrativas."
Campeã de votos para a Câmara Municipal em 2008 -com 3.426 votos-, a nova prefeita diz que está preparada para a eventualidade de concorrer à prefeitura.

FEIJÃO COM ARROZ
Atualmente, porém, ela diz estar mais preocupada com a falta de dinheiro em caixa até o final do ano. Segundo Délia, existe "apenas o suficiente para atender o funcionamento da Saúde e concluir o ano letivo".
Sobre sua inexperiência no Executivo, a prefeita disse acreditar que o fato não será um "complicador". "A mulher já administra o lar, a família e o dia a dia em geral. No Executivo, quero aplicar o mesmo feijão com arroz que aprendi na vida."
Procurado pela Folha, o advogado Carlos Marques, que representa Artuzi, não respondeu aos recados. Em entrevistas anteriores, ele negou que Artuzi esteja ligado ao suposto esquema.
 
Repasse: se nos anos 40 existisse internet, Hitler não teria assassinado milhões de judeus.
 
Buya neles!!!
 
 
- Buya




Buya ©.Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta
página em qualquer meio de comunicação.