- Links
» Página Inicial
» Estadão
» Revista Veja
» Revista Época
» Folha de São Paulo
» Revista Isto É
» Revista Carta Capital
» Prefeitura de Pirassununga
-
BALAIO DO BUYA
Jornal Virtual
-
» Contato
 
 
- Notícias
03.05 - Comissão da Verdade faz audiência sobre militares perseguidos na ditadura

03/05/2013 - 03h50

Comissão da Verdade faz audiência sobre militares perseguidos na ditadura

Publicidade

DO RIO

A Comissão Nacional da Verdade fará amanhã, na sede da ABI (Associação Brasileira de Imprensa), no Rio, a primeira audiência pública sobre militares que foram perseguidos pelo regime que se seguiu ao golpe de 1964.

Pelos cálculos do grupo de trabalho que investiga o assunto, pode haver mais de 7.488 militares perseguidos pela ditadura no Brasil.

Comissão da Verdade vai apurar assassinatos de índios durante a ditadura
Por motivo de saúde, Gilson Dipp deixa Comissão da Verdade
Ex-preso político terá ficha corrigida em órgão paulista

A comissão toma como base relatórios do projeto Brasil Nunca Mais, que apontam 6.500 perseguidos nas Forças Armadas, e também um estudo da historiadora Flávia Burlamaqui, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), que contabiliza os 7.488.

"Houve militares perseguidos por serem ligados à esquerda e ao partido comunista, mas teve uma parcela grande que atuava politicamente pela volta da democracia. É possível que novos nomes surjam", disse Rosa Cardoso, membro da comissão.

Entre os depoentes estará o economista Pedro Luiz Moreira Lima, 66. Ele tinha 17 anos quando militares prenderam seu pai, o então coronel da Aeronáutica Rui Moreira Lima, em 1968.

Considerado herói de guerra por ter participado de missões na Itália, na Segunda Guerra Mundial, Rui Moreira Lima foi preso duas vezes durante o regime, identificado com movimentos nacionalistas e de defesa da legalidade.

O economista conta que os militares foram à sua casa e, como não encontraram o pai, levaram-no. Sem saída, Lima apresentou-se e foi preso.

Hoje, Rui Moreira Lima tem 93 anos. Acometido por um AVC (Acidente Vascular Cerebral) há dois meses, ele não poderá dar seu testemunho.

´MICROFONE LIVRE´

Na primeira parte da audiência pública, serão ouvidos relatos de outras cinco pessoas, entre parentes e vítimas do regime militar. Na segunda, haverá uma espécie de "microfone livre" para outras vítimas.

De acordo com o professor Paulo Ribeiro Cunha, da Unesp (Universidade Estadual Paulista), a comissão já tomou 50 depoimentos de militares e familiares de perseguidos. A expectativa é que, ao final dos trabalhos, tenham sido tomados mais de cem. (LUCAS VETTORAZZO)


- Buya




Buya ©.Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta
página em qualquer meio de comunicação.